Paraibano Dailton comanda time nos EUA - WSCOM

menu

Mais Esporte

25/06/2006


Paraibano Dailton comanda time nos

A Delegação Brasileira Feminina de Goalball segue, neste domingo, 25, para Spartanburg, nos EUA , onde participará, entre 26 de junho e 02 de julho, do Campeonato Mundial da International Blind Sports Federation-IBSA. As meninas, comandadas pelo paraibano Dailton Nasicmento, buscam uma vaga para as Paraolimpíadas de Pequim, em 2008. Das atletas convocadas, as paulistas, Renata Fernandes e Simone da Silva, são destaque e promessa de bons resultados.

As melhores equipes de Goalball das categorias feminina e masculina estarão reunidas para disputar o Mundial. Os times que não se classificarem nos EUA, terão a última chance de buscar vagas nos III Jogos Mundiais da IBSA – Brasil 2007, que acontecerão nas cidades de São Caetano e São Paulo.

Mesmo cientes das dificuldades que terão no Mundial, a equipe brasileira está esperançosa. Depois da participação inédita nos Jogos Paraolímpicos de Atenas, em 2004, quando o time trouxe experiência na bagagem, as meninas cresceram em rendimento técnico. Prova disso foi o sucesso obtido nos IV Jogos Pan-americanos da IBSA, em 2005, quando jogaram contra as equipes dos EUA e Canadá, atuais finalistas paraolímpicas, e conquistaram a medalha de prata.

A equipe é constituída pelo chefe da delegação Wagner Xavier de Camargo (SP), o técnico Dailton Freitas do Nascimento (PB), o preparador físico Diego Gonçalves Colletes (SP), a fisioterapeuta Marília Passos Magno e Silva (SP), e as atletas Adriana Bonifácio Lino (MG), Ana Carolina Duarte Custódio (RJ), Márcia Bonfim Vieira (PR), Neuzimar Clemente dos Santos (ES), Renata Hermenegildo Fernandes ( SP) e Simone Camargo da Silva (SP).

O que é o Goalball – O goalball ao contrário de outras modalidades paraolímpicas, foi desenvolvido exclusivamente para pessoas com deficiência – no caso, visual e cegos, e é uma das modalidades paraolímpicas no país que mais evolui. É disputado em uma quadra com as mesmas dimensões da quadra de vôlei (18 x 9m). Cada equipe conta com três jogadores titulares e três reservas e em cada extremidade da quadra há um gol com nove metros de largura.

Os três atletas são, ao mesmo tempo, arremessadores e defensores. O arremesso tem de ser rasteiro com o objetivo de balançar a rede adversária. A bola possui um guizo em seu interior que emite sons – há furos que permitem a passagem do som – para que os jogadores possam saber a direção dela. (é um esporte baseado nas percepções tátil e auditiva). Exatamente por esse motivo não pode haver barulho no ginásio, caso contrário não é possível ouvir o som emitido pelo guizo. Como há diferentes níveis de deficiência visual – alguns atletas são cegos, outros conseguem perceber mudanças de luminosidade ou vultos – é obrigatório o uso de um óculos que funciona como venda, igualando a deficiência. Como é possível perceber, o goalball tem duas coisas que o brasileiro mais gosta: bola e gol.

Notícias relacionadas