Paraíba gera 6,1 mil empregos nas micro e pequenas empresas em 2018 - WSCOM

menu

Economia

13/02/2019


Paraíba gera 6,1 mil empregos nas micro e pequenas empresas em 2018

As micro e pequenas empresas da Paraíba geraram, de janeiro a dezembro de 2018, 6.117 postos de trabalho com carteira assinada. O saldo de empregos gerados supera o total das médias e grandes empresas que, no mesmo período, fecharam 756 postos de trabalho no estado. Os dados são de pesquisa do Sebrae com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho.

Em comparação com o ano anterior, quando as micro e pequenas empresas tiveram saldo de 1.590 vagas de emprego formal na Paraíba, o aumento foi de 284,72% em 2018. No acumulado de 2018, as MPEs que mais geraram postos de trabalho com carteira assinada na Paraíba, por setor, foram as ligadas aos Serviços, com 4.015 vagas; Comércio, com 1.913 vagas; e Agropecuária, com a geração de 569 vagas de emprego formal durante o período. 

Os setores da Indústria da Transformação (128), Extrativa Mineral (23) e Serviços Industriais de Utilidade Pública (37) também geraram empregos formais em 2018 no estado. Apenas a Construção Civil fechou postos de trabalho no período, com um saldo negativo de 568 vagas. Ainda, de acordo com a pesquisa do Sebrae, os meses nos quais as micro e pequenas empresas registraram mais admissões do que demissões na Paraíba, em 2018, foram agosto, com 2.202 vagas criadas; setembro, com 1.257 vagas; e novembro, com 759 vagas. 

No Brasil, conforme os dados analisados, os pequenos negócios foram responsáveis pela geração de mais de 580 mil empregos formais celetistas em 2018, sendo o maior saldo gerado nos últimos quatro anos e representando um aumento de 67% sobre o saldo registrado em 2017 por esse nicho de empresas. Como as médias e grandes empresas fecharam o ano de 2018 com um saldo negativo de empregos gerados, ou seja, mais demitiram do que contrataram, é possível constatar que os pequenos negócios sustentaram a geração de empregos em 2018 no país.

De acordo com a gerente de Estratégia do Sebrae Paraíba, Ivani Costa, com a perspectiva de maior crescimento da economia no país e, consequentemente, no estado, espera-se que a geração de postos de trabalho com carteira assinada em 2019 mantenha a trajetória de expansão, especialmente no setor de Serviços, que já possui a maior participação no mercado de trabalho paraibano.

“A criação de 6.117 vagas de emprego formal confirma a melhora na percepção dos pequenos negócios paraibanos e aponta para um cenário otimista, com melhores previsões para a produção e o emprego no horizonte de três meses, além de otimismo com relação à evolução do ambiente de negócios no horizonte de seis meses. Também é importante ressaltar que a criação de vagas formais tende a avançar em 2019, mas a taxa de desemprego ainda deve ficar acima de 10%. Já nos pequenos negócios, o desemprego pode ser minorado com políticas públicas voltadas ao empreendedorismo, com melhoria do ambiente de negócios, oferta de crédito e promoção da inovação em seus processos produtivos”, avaliou Costa.

Dezembro e a sazonalidade

A análise do Sebrae também aponta a sazonalidade como fator para o desempenho fraco da economia em dezembro de 2018. Dessa forma, as empresas brasileiras demitiram mais do que contrataram, registrando fechamento de 334,5 mil postos de trabalho. A participação dos pequenos negócios nesse total foi de 46,1% (-154,2 mil empregos). Na Paraíba, o saldo líquido de postos de trabalho fechados pelos pequenos negócios em dezembro de 2018 foi de 719, enquanto as médias e grandes empresas do estado fecharam 1.896 postos no mesmo período. 

No total, a Paraíba registrou saldo negativo de 2.616 vagas de emprego formal fechadas em dezembro de 2018, resultado que colocou o estado em quarto lugar no ranking nacional entre as empresas que menos fecharam postos de trabalho com carteira assinada no período.