Palocci descarta intervir em câmbio para agradar exportadores - WSCOM

menu

Economia & Negócios

07/08/2005


Palocci descarta intervir em câmbio

O governo não irá alterar a política de câmbio flutuante. Esse foi o recado dado pelo ministro Antonio Palocci (Fazenda) aos exportadores, que temem que uma cotação de dólar muito baixo afete seus negócios.

“O governo nunca atua para afetar a cotação da moeda. Não atuou e não atuará para tentar posicionar a moeda em algum lugar que seja ideal sob o julgamento de quem quer que seja. Nós achamos que cambio flutuante que cumpre o seu papel’, disse Palocci. Ele acrescentou ainda que o governo tem ‘convicção’ na atual política.

O ministro lembrou o desempenho das contas externas brasileiras. No primeiro semestre, a conta de transações correntes, que representa as principais transações do país com o exterior na área comercial e na contratação de serviços e transferência de renda, teve um superávit de US$ 5,284 bilhões no semestre, um aumento de 19,7% sobre o mesmo período do ano passado.

O ministro disse ainda que o Banco Central não mudou a sua forma de atuar, e que para comprar dólares analisa as condições de mercado de forma a não acrescentar volatilidade.

Para ele, hoje o país e as empresas consideram essencial o comércio exterior e que isso inclusive ajudou na geração de empregos.

‘O que está caracterizado de forma muito significativa é que a economia brasileira está dentro de um modelo que considera as exportações fundamentais para a vida do país e para a vida das empresas.’

O empresário Ivan Zurita, da Nestlé, após a reunião, disse que o governo não irá alterar a política cambial. ‘O que vai influenciar sempre é o mercado.’

Notícias relacionadas