PAC de Jaguaribe começa pelo Rangel e lançamento será com ou sem Lula - WSCOM

menu

Paraíba

18/05/2008


PAC de Jaguaribe começa pelo

O PAC de Jaguaribe, que deve revitalizar uma das mariores áreas da Capital paraibana, está em vias do seu lançamento. A informação foi repassada pelo próprio Ricardo Coutinho (PSB). O Prefeito garantiu que quer iniciar a obra o mais rápido possível. A obra que esperava a presença do presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT) para o lançamento, deve iniciar com ou sem o presidente.

“Tive uma reunião com o superintendnete da Caixa, Jorge Gurgel, e a idéia é iniciar o mais rápido possível. Vou só checar se o presidente pode vir nós próximos dias, se não puder, vamos dar a ordem de serviço. Deixa para o presidente vir noutra oportunidade”, explicou o prefeito, que tem pressa que as obras comecem, prevendo que dentro em pouco começa o período eleitoral, impedindo a Prefeitura de colocar na praça grandes projetos.

As obras beneficiarão mais de 62 mil famílias – mais de dez vezes o que alcançará o PAC do Sanhauá – e deve passar pelas vias centrais da cidade. Segundo o prefeito, o primeiro bairro a receber as obras será o Rangel. Os serviços devem começar no prazo de dois meses depois do lançamento.

Os investimentos na área serão superiores aos R$ 74 milhões do PAC. Além do investimento da União, a Prefeitura pretende implantar equipamentos comunitários como complemento às obras de infra-estrutura social e urbana previstas no projeto. “A Prefeitura está envidando esforços para dar continuidade aos serviços de urbanização desses dois grandes vales. O projeto não prevê só urbanização. Significa moradia com habitabilidade, iluminação, lazer, educação, saúde, equilíbrio ambiental e acessibilidade”, disse.

Áreas de intervenção – Ricardo explicou que nessa primeira etapa serão realizadas obras no Alto Jaguaribe (Jardim Guaíba, Jardim Bom Samaritano, Rua Projetada, Travessa Palmares, Rua Osvaldo Lemos, Novo Horizonte, Lagoa Antônio Lins e adjacências do Monte Cassino) e Baixo Jaguaribe (Chatuba e São José). As etapas futuras contemplarão o Médio Jaguaribe. “Como os recursos são limitados, tivemos que fazer uma escolha e levamos em conta as áreas onde há necessidade mais urgentes de intervenção, que são o Alto e o Baixo Jaguaribe”, explicou.

Com respeito ao meio ambiente, estão previstos a recuperação de áreas degradadas pré-existentes e decorrentes da intervenção; revegetação; proteção das margens; desassoreamento e renaturalização do rio; paisagismo e estética urbana com implantação de parques e corredor ecológico. As ações sociais englobam a mobilização e organização comunitária, educação sanitária e ambiental e geração de trabalho e renda.

Infra-estrutura – Na área de infra-estrutura urbana estão previstos implantação de pavimentação, drenagem e esgotamento; retirada de habitações de risco e revitalização de área degradada e implantação de loteamentos com equipamentos comunitários, como escolas, creches, praças, quadras esportivas e postos de saúde.

No Vale das Palmeiras, Rangel e Novo Horizonte (Alto Jaguaribe) serão implantados 126.395,75 metros quadrados de pavimento em paralelepípedos e 46.828,50 metros quadrados de pavimentação em asfalto. Nas comunidades São José e Chatuba (Baixo Jaguaribe) serão beneficiadas com 25.624,61 metros quadrados de pavimento em paralelepípedo. Além disso, as áreas receberão investimentos em esgotamento sanitário (1.266 ligações domiciliares) e redes de abastecimento de água, iluminação pública (820 metros quadrados), recuperação de 32.600 metros quadrados de áreas degradadas e construção de 1.260 moradias que abrigarão 6.300 pessoas. O PAC do Jaguaribe beneficiará 62.655 famílias (192.511 pessoas).

Notícias relacionadas