Ouça: Ricardo rebate críticas de Cássio e Maranhão e despista sobre saída do Governo - WSCOM

menu

Política

05/04/2018


Ouça: Ricardo rebate críticas de Cássio e Maranhão e despista sobre saída do Governo

Foto: autor desconhecido.

O governador Ricardo Coutinho (PSB) voltou a despistar sobre a sua possível desincompatibilização do Governo para disputar uma vaga no Senado Federal. Com o anúncio oficial marcado para amanhã (6), Ricardo preferiu exaltar o grande número de obras da sua gestão e o momento vivido pelo Estado.

“Recebo o presidente nacional do meu partido hoje, que participa da despedida de João, e amanhã eu faço um pronunciamento, mas o importante é perceber que as coisas são maiores do que Ricardo enquanto pessoa. O que a Paraíba está vivenciando é bem maior que eu”, disse.

Coutinho ressaltou a sua “coragem” para implementar mudanças na Paraíba, e citou as elites como grandes opositoras ao seu governo.

“Fizemos tudo por coragem, de quebrar privilégios, e quebraria novamente, colocar a Paraíba numa rota de modernidade, de adotar medidas que os outros não adotavam. Parte das elites batem em mim, os grandes sistemas de comunicação batem e eu continuo trabalhando”, destacou.

Criticado por parte da oposição após decreto publicado no Diário Oficial do Estado, ontem, em que cria uma assessoria de segurança para ex-governadores, Ricardo rebateu os seus principais opositores, e não poupou críticas aos adversários.

“Cassio é malando, faz a política do disse me disse. Maranhão foi iludido por uma criação midiática, criaram história de guarda que não existe. Governantes fizeram críticas porque nunca tiveram problema com a bandidagem, eles sempre pactuaram com a bandidagem”, pontuou.

Por fim, ele defendeu o decreto, e citou o caso do ex-governador Tarcísio Burity, envolvendo o também ex-governador Ronaldo Cunha Lima: “se Tarcísio Burity tivesse um segurança não teria sofrido o atendado que sofreu”.

“Criaram uma ajudância de ordens ao dia, que caso o governador quisesse reivindicaria, o que conceitualmente é adequando, pois quem toma medidas fortes como eu, tem uma coisa aceitável, como tem no brasil inteiro, e espero nunca precisa”, finalizou.