Operação Calvário 3: Gaeco cumpre 11 mandados de busca domiciliar na PB - WSCOM

menu

Política

14/03/2019


Operação Calvário 3: Gaeco cumpre 11 mandados de busca domiciliar na PB

Nos autos da medida cautelar ajuizada para fins de coleta de elementos de prova, ainda na fase anterior à denúncia.

Agentes do Gaeco cumprem mandados em Sousa (Foto: Blog do Levi)

A terceira fase da Operação Calvário foi deflagrada, na manhã desta quinta-feira (14), com o objetivo de cumprir mandados de busca domiciliar contra 11 pessoas. A ação é promovida pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB), através do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) e Comissão de Combate aos Crimes de Responsabilidade e à Improbidade Administrativa (Ccrimp).

 

Os 11 mandados de busca domiciliar foram expedidos pelo desembargador Ricardo Vital de Almeida, atendendo à solicitação do MPPB, em desfavor de Livânia Maria da Silva Farias, Elvis Rodrigues Farias, Haroldo Rivelino da Silva, Haller Renut da Silva, Gabriella Isabel da Silva Leite, Lucas Winnicius da Silva Leite, Carlos Pereira Júnior (Kolorau Júnior), Maria Laura Caldas de Almeida Carneiro, Josildo de Almeida Carneiro, Saulo Pereira Fernandes e Keydson Samuel de Sousa Santiago, nos autos da medida cautelar ajuizada para fins de coleta de elementos de prova, ainda na fase anterior à denúncia.

 

No município de Sousa, agentes do Gaeco cumprem mandados judiciais na residência do vereador Carlos Pereira Leite Júnior, conhecido como Koloral Júnior, vice-presidente da Câmara Municipal. Ele é sobrinho da secretária de Estado da Administração, Livânia Farias, que também é alvo desta fase da operação.

 

A Operação Calvário, no Estado da Paraíba, investiga núcleos de uma organização criminosa comandada por Daniel Gomes da Silva, que é responsável por desvio de recursos públicos, corrupção, lavagem de dinheiro e peculato, através de contratos firmados junto a unidades de saúde do Estado, com valores chegando a R$ 1,1 bilhão, possuindo atuação em outras unidades da federação, e exemplo do Rio de Janeiro.

 

Os mandados estão sendo cumpridos pelo Gaeco/MPPB, com o apoio da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI) do Ministério Público do Rio de Janeiro, nos municípios de João Pessoa, Sousa e Santa Cruz, nesse Estado, e no Estado do Rio de Janeiro.

 

Maiores esclarecimentos serão disponibilizados pelo Ministério Público da Paraíba depois da conclusão das diligências e análise do material recebido.

 

ENTENDA A OPERAÇÃO

 

O Ministério Público da Paraíba criou um grupo de trabalho para atuar nos procedimentos decorrentes da Operação Calvário, que investiga uma organização criminosa infiltrada na Cruz Vermelha. O procurador-geral de Justiça, Francisco Seráphico Ferraz da Nóbrega Filho, designou três promotores para compor o GT, que trabalhará sob a presidência do coordenador do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado, juntamente com os demais promotores do Gaeco.

 

A Operação Calvário foi desencadeada no dia 14 de dezembro passado, pelos órgãos do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ/Gaecc-RJ), da Paraíba (MPPB/Gaeco) e de Goiás (MPGO-Gaeco) para investigar uma Orcrim que atua Cruz Vermelha Brasileira, filial do Rio Grande do Sul, e no Instituto de Psicologia Clínica, Educacional e Profissional (IPCEP). Na Paraíba, onde a Cruz Vermelha administra o Hospital de  Emergência e Trauma da Capital, a operação teve uma segunda fase, desencadeada em 1º de fevereiro, para cumprimento de mandados de prisão e de busca e apreensão.

 


Portal WSCOM