Ofensiva americana no Iraque 'pode durar dias' - WSCOM

menu

Internacional

17/03/2006


Ofensiva americana no Iraque 'pode

A ofensiva militar iniciada na quinta-feira contra supostos insurgentes na cidade iraquiana de Samarra pode durar dias, segundo o Exército americano.

Os militares americanos afirmam que a chamada de Operação Swarmer tem o objetivo de “limpar uma área suspeita de operações insurgentes”, especialmente de grupos sunitas ligados à rede Al Qaeda, no nordeste de Samarra.

Mais de 50 aeronaves e 1,5 mil soldados iraquianos e americanos foram mobilizados para a operação, segundo uma declaração dos militares americanos, que classificaram a operação como a maior desde a invasão de 2003.

Correspondentes da BBC, entretanto, dizem que existem dúvidas quanto ao tamanho da operação.

Não foram realizados ataques aéreos e não existem relatos confirmados de combates.

Os militares americanos e iraquianos que realizam a operação conjunta dizem ter prendido cerca de 40 suspeitos, embora 17 deles já tenham sido liberados.

Um ataque com bombas ao templo xiita de al-Askari, em Samarra, a 100 quilômetros ao norte de Bagdá, em fevereiro, deu início a uma onda de violência sectária em todo o país.

Alvos

Ao fim do primeiro dia de operação, a força conjunta americana e iraquiana afirmou ter apreendido vários carregamentos de armas, incluindo cartuchos, munição e uniformes militares”.

Os militares americanos afirmaram que o avião que oferecia cobertura às tropas não precisou soltar bombas ou lançar mísseis. Não está claro se os supostos insurgentes ofereceram resistência.

O correspondente da BBC em Bagdá, Jim Muir, afirma que os americanos acreditam que há bolsões de insurgência na área de Samarra.

Segundo o ministro do Exterior interino do Iraque, Hoshyar Zebari, inteligência dos serviços de segurança iraquianos sugeriram que insurgentes haviam se reunido na região para planejar ataques.

Demonstração de força

Samarra se transformou em um sinônimo de violência sectária depois do ataque ao templo, segundo o correspondente da BBC, e os Estados Unidos querem mostrar que estão atacando as raízes da violência.

O correspondente da BBC em Washington, Adam Brookes, afirma que uma grande exibição de força está ocorrendo, visando quebrar o ciclo crescente de violência que pode levar a uma guerra civil no Iraque.

O Pentágono quer demonstrar que forças americanas e iraquianas podem trabalhar em conjunto em resposta aos ataques sectários, segundo Brookes.

A operação militar também está dando apoio à mensagem política do governo de George W. Bush lançada nas últimas semanas, de que está ocorrendo progresso no Iraque.

Notícias relacionadas