O código Da Vinci: Dan Brown depõe em julgamento e livro terá continuação - WSCOM

menu

Entretenimento

16/03/2006


O código Da Vinci: Dan

Dan Brown, autor de O Código Da Vinci, iniciou terça passada, 14 de março, seu testemunho no processo de plágio movido contra a editora Random House por Michael Baigent e Richard Leigh, dois dos autores de O Santo Graal e a Linhagem Sagrada.

Brown evitou a multidão de fãs, curiosos e repórteres que o aguardavam na entrada do tribunal e utilizou uma porta lateral para chegar à corte de Londres onde o processo acontece.

Em seu depoimento, o autor do livro que transformou em um best seller de ficção a tese de que Jesus pode ter sido casado com Maria Madalena, negou ter mentido quanto à data em que viu o livro de Baigent e Leigh pela primeira vez. Brown negou ter lido o livro da dupla durante o preparo de seu livro, lembrando que O Santo Graal e a Linhagem Sagrada não consta da lista de sete livros citado na sinopse de O Código Da Vinci. O autor alegou em sua defesa que, se conhecesse o livro na época, certamente o teria incluído na sinopse enviada aos editores em 2001.

O juiz questionou essa afirmação, apontando que o livro da dupla estava incluído como “leitura essencial” e havia sido citado na capa da edição americana de O Segredo dos Templários, de Lynn Picknett e Clive Prince, volume que Brown concordou ter lido em sua pesquisa inicial.

O escritor reafirmou que nem ele, nem sua esposa, leram O Santo Graal e a Linhagem Sagrada durante a preparação de O Código Da Vinci, mas, admitiu ter usado o volume durante o trabalho de composição do best seller, completando que esta foi apenas uma das várias fontes utilizadas. Blythe Brown, descrita como uma reclusa, foi a pesquisadora de O Código Da Vinci. Seu marido a retrata como uma entusiasta da história e fanática por Leonardo Da Vinci, mas, até hoje, ela permanece uma figura misteriosa.

Brown deixou claro que toda a parte relativa a Leigh Teabing, nome composto de um anagrama de Baigent e Leigh, foi apoiada por O Santo Graal e a Linhagem Sagrada. O escritor, no entanto, declarou que sequer leu o livro todo, o qual classificou de “difícil”, apesar de sua cópia, apresentada durante o depoimento, estar repleta de anotações nas margens. Em resposta ao estado do livro, Brown informou que as anotações foram feitas por sua esposa, e que, após o sucesso, foi obrigado a estudar novamente a base de sua pesquisa para enfrentar as perguntas feitas por leitores e jornalistas.

O principal objetivo da corte é determinar quando Brown e sua esposa entraram em contato com informações tiradas de O Santo Graal e a Linhagem Sagrada. O resultado, até o momento, foi um relatório de 69 páginas que explica detalhadamente como Brown pesquisa seus temas.

O depoimento de Dan Brown deve continuar até o final da semana. Os autores de O Santo Graal e a Linhagem Sagrada pedem uma indenização de dois milhões de libras pelo que consideram cópia do tema central de seu livro.

Além dos acusadores e de Dan Brown, a audiência contou com o testemunho de Patrick Janson Smith, responsável pela publicação nos Estados Unidos de O Santo Graal e a Linhagem Sagrada. Smith disse ter percebido as ligações entre Teabing e os autores do livro, mas, que não reconheceu nisso sinal de plágio. Em sua opinião, não há necessidade de consulta jurídica após a leitura de um livro de referência, e o anagrama dos nomes de Leigh e Baigent presente em O Código Da Vinci era um simples sinal de respeito de Brown para os dois autores.

Mudando um pouco de assunto, Dan Brown já confirmou que trabalha na seqüência de O Código Da Vinci. The Solomon Key (A Chave de Salomão), segundo o autor, vai envolver os Maçons. A editora Doubleday revelou que há pistas para o livro ocultas na capa, onde uma grade aponta para uma escultura chamada Kryptos, coberta por 1.800 letras de código, localizada no escritório da CIA na Virgínia. Outra pista é a frase “is there no help for the widow’s son?” (não há ajuda para o filho da viúva?), também oculta na capa que seria um pedido de ajuda para Joseph Smith, fundador da Igreja Mórmon. Seguindo a onda de livros que “decodificam” O Código Da Vinci, os leitores da seqüência que ainda não existe já podem ler The Guide to Dan Brown’s The Solomon Key. O autor, Greg Taylor, alega que o novo livro de Brown vai explorar a fraternidade Skull and Bones, formada por alunos da Universidade de Yale e que inclui George Bush entre seus sócios.

Outra notícia relacionada é o novo pôster do filme O Código Da Vinci, que pode ser conferido no início deste artigo. A estréia do longa acontece mundialmente em 19 de maio de 2006.

Notícias relacionadas