Novos protestos na Síria deixam cinco feridos - WSCOM

menu

Internacional

17/04/2011


Novos protestos na Síria deixam feridos

Cinco feridos

Foto: autor desconhecido.

Ao menos cinco pessoas ficaram feridas neste domingo (17), quando partidários do regime no poder na Síria dispersaram uma manifestação a favor da liberdade em Sueida (sul), um reduto da oposição, informaram militantes dos direitos humanos.

Cerca de 400 manifestantes se reuniram numa praça de Sueida para celebrar os 65 anos da independência da Síria, segundo o Centro Sírio para a Liberdade de Expressão.

Os manifestantes foram agredidos por partidários do regime, que os dispersaram com paus e pedras.

Perto de Sueida, no povoado de Al Qraya, um grupo de 150 pessoas foi impedido de celebrar a independência.

Os novos protestos acontecem um dia depois que o presidente sírio, Bashar al Assad, anunciou que o estado de emergência em vigor no país desde 1963 será abolido dentro de uma semana, satisfazendo assim uma das principais reivindicações dos manifestantes sírios.

Assad também expressou seu pesar pela morte de manifestantes, cerca de 200 segundo estimativas de ONGs de direitos humanos, durante os protestos contra seu regime.

O presidente sírio pronunciou seu discurso por ocasião da primeira reunião do governo formado na quinta-feira (14), em pleno movimento de protestos contra o regime.

Segundo ele, "a abolição da lei de emergência vai reforçar a segurança na Síria e preservará a dignidade dos cidadãos".

Em 31 março, Assad encarregou uma comissão de redigir, até 25 de abril, uma nova legislação para substituir o estado de emergência.

O estado de emergência foi decretado no final de 1962 pelo partido que assumiu o poder em março de 1963.

Essa lei reduz sensivelmente as liberdades públicas, impõe restrições sobre a liberdade de reunião e movimentação, e permite a prisão de "suspeitos que ameaçam a segurança".

Segundo a Anistia Internacional, pelo menos 200 pessoas morreram na repressão do movimento de protesto iniciado em 30 de março, e as mortes foram atribuídas pelas autoridades a bandos criminosos ou armados.

Notícias relacionadas