Nova York libera gravações sobre 11 de setembro - WSCOM

menu

Internacional

13/08/2005


Nova York libera gravações sobre

A cidade de Nova York tornou público dezenas de arquivos do Corpo de Bombeiros contendo documentos e gravações sobre os ataques contra as torres gêmeas do World Trade Center, ocorridos em 11 de setembro de 2001.

O material contém gravações e ainda testemunhos dos bombeiros, que foram compilados após os atentados.

Muitos oficiais entrevistados contaram que no dia dos ataques houve falhas no sistema de comunicação e uma falta de estruturas de comando nos trabalhos de resgate.

A cidade foi forçada pela Justiça a divulgar os arquivos após uma ação movida pelo jornal americano The New York Times.

A medida foi apoiada também por familiares dos bombeiros mortos.

Autoridades de Nova York estavam resistindo a publicação dos arquivos por motivos de confidencialidade.

Mensagens

Após gravações publicadas pelo jornal, muitas perguntas começaram a surgir sobre se algumas das mortes poderiam ter sido evitadas.

De acordo com os relatos divulgados, várias mensagens de rádio passadas aos bombeiros para que evacuassem a torre norte do World Trade Center não foram ouvidas.

Mais de 340 bombeiros perderam suas vidas nos ataques.

No ano passado, um inquérito no Congresso americano confirmou que houve uma quebra nas comunicações dos serviços de emergência.

Os documentos, publicados na sexta-feira, reúnem 15 horas de gravações de comunicação de rádio entre os bombeiros que estavam nas torres.

Liberdade de Informação

O material contém ainda mais de 12 mil páginas sobre depoimentos individuais, que foram registrados pelo Corpo de Bombeiros da cidade um mês após os ataques.

Num deles, um bombeiro descreve uma mulher pulando da torre para a morte e caindo em cima de um outro bombeiro. “Eu vi uma mulher num vestido azul caindo sobre aquele homem e o esmagando”, contou.

Num outro relato, gravado em rádio, um civil diz: “Eu estou preso aqui. Não posso respirar mais. Por favor, me ajude. Estou sem ar, não posso mais respirar”.

Um outro oficial expressou sua frustração pela falta de coordenação durante as operações de emergência. “Eu estou recebendo quatro ordens diferentes de quatro chefes distintos…Alguém precisa me ajudar a resolver isto”, disse.

O jornal The New York Times conseguiu as gravações inicialmente com base na legislação de Liberdade de Informação, e depois processou a cidade de Nova York quando a mesma se recusou a tornar os arquivos públicos.

Notícias relacionadas