Nos 25 anos de Chernobyl, Rússia propõe melhorar segurança nuclear - WSCOM

menu

Internacional

26/04/2011


Rússia propõe melhorar segurança nuclear

25 anos de Chernobyl

Foto: autor desconhecido.

A Rússia vai propor na cúpula do G8, em maio, iniciativas para melhorar a segurança nuclear, afirmou o presidente russo Dimitri Medvedev nesta terça-feira (26), dia em que o mundo recorda a catástrofe na central nuclear de Chernobyl há 25 anos.

"A Rússia tratará na cúpula do G8 sobre iniciativas concretas referentes ao fortalecimento das medidas de segurança nas centrais nucleares", indicou Medvedev no texto publicado pelo Kremlin.

Essas medidas buscaram aumentar a responsabilidade dos países que utilizam a energia atômica, indicou o presidente russo.

Medvedev e o presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovich, visitaram nesta terça o prédio da central nuclear acidentada.

Os dois chefes de Estado chegaram à central depois de assistir a uma cerimônia religiosa.

Medvedev e Yanukovych pediram mais segurança nas usinas nucleares, após o grave acidente em Fukushima provocado pelo terremoto seguido de tsunami que atingiu o país em março.

"Estamos lembrando uma data trágica. Vinte e cinco anos se passaram, e nós entendemos que acidentes nucleares têm consequências colossais para a população", disse o presidente ucraniano.

"O mundo compreendeu que catástrofes como essa não podem ser enfrentadas por um país sozinho", acrescentou.

Medvedev anunciou ter encaminhado a seus aliados internacionais propostas para uma nova convenção global nuclear, para garantir que desastres como os de Fukushima e Chernobyl se repitam.

Entretanto, ele destacou que a energia nuclear continua sendo um importante recurso energético.

"Ninguém ofereceu ainda novas fontes de energia", disse o presidente russo.

Ele louvou o sacrifício dos trabalhadores soviéticos que trabalharam para controlar a crise nuclear em Chernobyl, conhecidos como liquidadores, que enfrentaram níveis de radiação altíssimos para evitar uma catástrofe ainda maior.

"As consequências deste acidente poderiam ter sido extremas. E elas já foram gigantescas. Precisamos nos lembrar disto", indicou.

Em uma cena histórica, Yanukovych e Medvedev discursaram diante de dezenas de repórteres em um belo dia de primavera, o canto dos pássaros contrastando com a visão asssustadora do gigantesco reator coberto pelo sarcófago de concreto.

Putin

O primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, disse que a tragédia de Chernobyl, a maior catástrofe nuclear na história do uso pacífico da energia nuclear, "foi uma lição para toda a humanidade".

O acidente "obrigou a revisar a confiabilidade e a segurança da energia nuclear", disse Putin em mensagem divulgada pelo governo russo.

Perdas

O primeiro-ministro ucraniano, Nikolai Azarov, estimou em US$ 180 bilhões as perdas causadas pela catástrofe na usina, o que chegou a representar 10% do orçamento anual do país.

Azarov afirmou que a explosão contaminou 145 mil quilômetros quadrados dos territórios da Ucrânia, de Belarus e da Rússia.

 

Notícias relacionadas