Na posse de Bolsonaro, jornalistas são maltratados; franceses e chineses abandonam cobertura - WSCOM

menu

Política

01/01/2019


Na posse de Bolsonaro, jornalistas são maltratados; franceses e chineses abandonam cobertura

No dia da posse de um novo governo no Brasil, a imprensa foi escolhida como alvo preferencial dos que chegam ao poder. No twitter, Jair Bolsonaro atacou o que seria uma ‘fake news’ de Veja (leia aqui). Seu filho, Carlos Bolsonaro, afirmou que setores da mídia estão desesperados (leia aqui). Mas nada é comparável ao tratamento que os jornalistas vêm recebendo na cerimônia de posse.

A jornalista Amanda Audi, do Intercept, relata que nem cachorros são tratados desta maneira. “Não se trata cachorro como os jornalistas são tratados na posse de Bolsonaro. Não tem água, precisa de autorização pra ir ao banheiro, não pode circular pra lugar nenhum, jornada de 14 horas, fomos revistados duas vezes e nos alertaram que há risco de levar bala dos atiradores”, diz ela.

Ana Dubeux, do Correio Braziliense, diz que profissionais da imprensa não têm direito a água e a banheiro. Vicente Nunes, também do Correio, afirma que correspondentes da China e da França decidiram abandonar a cobertura. “Jornalistas da França e da China se rebelam e abandonam sala onde estavam confinados no Itamaraty. Disseram que não aceitariam ficar em cárcere privado até às 17h, quando seriam liberados para fazer registros da posse de Bolsonaro. Essa rebelião deveria ser geral”, afirmou.

Confira, abaixo, alguns tweets: