Mundo tem 2,5 milhões de novos casos de HIV por ano, diz estudo - WSCOM

menu

Saúde

19/07/2016


HIV: mundo tem 2,5milhões de novos casos

ESTUDO

Foto: autor desconhecido.

Cerca de 2,5 milhões de pessoas ainda estão se infectando por HIV todos os anos, enquanto as novas drogas têm reduzido a taxa de mortalidade relacionada ao vírus e os soropositivos têm vivido cada vez mais. A conclusão é de um estudo global publicado nesta terça-feira (19) pela revista "The Lancet HIV".

O número de novas infecções estacionou nos últimos 10 anos depois de uma queda drástica após o pico registrado em 1997, quando 3,3 milhões de pessoas foram infectadas.

O estudo foi publicado em meio à Conferência Internacional de Aids, em curso em Durban, na África do Sul. O relatório fala em um "cenário preocupante de progresso lento na redução de novas infecções por HIV", segundo o autor principal do estudo, Haidong Wang, do Instituto de Métrica e Avaliação (IHME) da Universidade de Washington, em Seattle.

A situação pode ser agravada por causa da estagnação dos fundos para programas de HIV e Aids. "Portanto, um aumento drástico dos esforços de governos e agências internacionais será necessário para atender a demanda de estimados US$ 36 bilhões todos os anos para realizar o objetivo de acabar com a Aids até 2030", disse o diretor do IHME Christopher Murray em uma nota.

Nos últimos 15 anos, os países contribuíram com US$ 110 bilhões para programas de HIV e Aids.
Hoje, existem cerca de 38,8 milhões de pessoas vivendo com HIV. Em 2000, avia 28 milhões de pessoas com o vírus. As mortes anuais por Aids caíram de um pico de 1,8 milhão em 2005 para 1,2 milhão em 2015.

Relatório da Unaids
Na semana passada, a Unaids, programa conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids, tinha divulgado um relatório sobre o tema e alertado que a redução de novas infecções por HIV em adultos tem estagnado.

Segundo o relatório da Unaids, na maioria das regiões, não houve progresso entre 2010 e 2015. No Leste Europeu e Ásia Central, por exemplo, o número de novas infecções entre adultos cresceu 57% no período. O Caribe registrou um aumento de 9%; já o Oriente Médio e o norte da África viram um aumento de 4%. Na América Latina, o crescimento nesse período foi de 2%.

Nos últimos cinco anos, houve apenas discretos declínios de novos casos na Europa Ocidental e Central, na América do Norte e na África Central e Ocidental.
O diretor-executivo da Unaids, Michel Sidibé, observou que o alarme está tocando. "O poder de prevenção não está sendo realizado. Se houver um novo aumento de novas infecções por HIV agora, a epidemia vai se tornar impossível de controlar. O mundo precisa tomar medidas urgentes e imediatas para acabar com a lacuna na prevenção."

Notícias relacionadas