Movimento antiguerra pretende seguir Bush pelos EUA - WSCOM

menu

Internacional

24/08/2005


Movimento antiguerra pretende seguir Bus

Pais de soldados mortos no Iraque pretendem seguir o presidente norte-americano, George W. Bush, onde quer que ele vá dentro do país nos próximos meses, com o objetivo de criar um clima antiguerra nacional.

A ativista Cindy Sheehan, que perdeu o filho no Iraque, acampou junto com outros manifestantes por boa parte do mês de agosto perto do rancho de Bush em Crawford, no Texas, atraindo a atenção internacional para a morte de mais de 1.800 soldados norte-americanos desde o início da guerra, em 2003.

Sue Niederer, de 56 anos, que fundou junto com Sheehan e com outras famílias o movimento “Famílias Estrela Dourada pela Paz”, prometeu na quarta-feira que vai continuar pressionando o presidente.

“Vamos colar o tempo todo no sr. Bush e fazê-lo entender que não vamos embora. Estamos extremamente convencidos do que estamos fazendo”, disse ela, que é dona-de-casa, corretora de imóveis e professora substituta.

Niederer, cujo filho Seth Dvorin, 24, morreu em Iskandariya, no Iraque, no dia 3 de fevereiro de 2004, disse que ela e seu grupo pretendem viajar para onde quer que Bush vá.

Grupos antiguerra mantiveram a pressão sobre o presidente em Utah e Idaho, onde ele fez discursos. O presidente afirmou que as tropas permanecerão no Iraque até terminar o serviço, honrando, desse modo, aqueles que morreram lá — uma lógica que Niederer questiona.

“Você está desonrando os soldados, e não os honrando”, disse ela. “Levando em conta os motivos pelos quais entramos nessa guerra, como as mortes deles não foram em vão?”, perguntou ela, referindo-se à alegação feita por Bush em 2003 de que o Iraque possuía armas de destruição em massa.

Sheehan, uma californiana que perdeu o filho em combate, transformou-se no centro da campanha antiguerra ao acampar perto do rancho de Bush e exigir um encontro com o presidente. Ela pretende dar discursos em Brunswick, Maine, em setembro e no Brooklyn, em Nova York, em outubro.

Depois que a temporada de Bush em Crawford terminar, no fim de agosto, as famílias estão pensando em cruzar o país em ônibus para criar um movimento nacional, semelhante ao que surgiu durante a Guerra do Vietnã, e que contribuiu para a retirada norte-americana.

“Este é o Vietnã 2. Como estamos vendo nas pesquisas, o povo americano está começando a entender que essa guerra foi criada em cima de mentiras, ilusões e falsidades”, disse Niederer.

Segundo uma pesquisa do USA Today/CNN/Gallup do fim de julho, a maioria dos norte-americanos duvida que os EUA ganhem a guerra e acredita que o governo Bush iludiu deliberadamente o povo na questão das armas de destruição em massa iraquianas, que nunca foram encontradas.

Para especialistas, porém, será difícil criar uma comoção semelhante à da Guerra do Vietnã se não houver uma convocação obrigatória, como havia então.

Notícias relacionadas