Ministro: 'Fui infeliz' ao dizer que brasileiro no exterior é 'canibal' - WSCOM

menu

Política

27/02/2019


Ministro: ‘Fui infeliz’ ao dizer que brasileiro no exterior é ‘canibal’

Ricardo Vélez Rodríguez se defendeu, dizendo que declaração 'não pode ser lida como a prática dos crimes de calúnia, difamação e injúria'

Na imagem, o ministro da Educação Ricardo Vélez Rodríguez

Um documento enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, disse que foi “infeliz” ao afirmar que brasileiro age como “canibal” em viagens ao exterior.

Em entrevista à “Veja”, o ministro disse anteriormente que brasileiro “rouba coisas dos hotéis, rouba o assento salva-vidas do avião, ele acha que sai de casa e pode carregar tudo” quando viaja para fora do país. Segundo Vélez Rodríguez, “esse é o tipo de coisa que tem de ser revertido na escola”.

 

Incomodado com a declaração, um advogado entrou com uma interpelação judicial no STF para que o ministro esclarecesse a fala. A relatora do caso, a ministra Rosa Weber, notificou Vélez Rodríguez.

 

“Fui infeliz na declaração aberta, genérica, mas tal não pode ser lida como a prática dos crimes de calúnia, difamação e injúria, na medida em que, repita-se, não teve o propósito de ofender as honras objetiva e subjetiva de brasileiros determinados. Utilizei-me de uma figura de linguagem hiperbólica, nada mais do que isso, para potencializar a mensagem”, escreveu Vélez Rodríguez, segundo publicado pelo “G1”.

 

+LEIA TAMBÉM: Bolsonaro revoga decreto sobre sigilo de dados para evitar nova derrota no Congresso

 

Ele ainda lembrou que já se desculpou publicamente. “Pelas redes sociais, já lancei, inclusive, meu pedido de desculpas a quem se sentiu ofendido, o que, de forma alguma, implica o reconhecimento da prática de um crime contra a honra”, disse.

 

A Advocacia-Geral da União (AGU) pediu ao Supremo que o caso fosse arquivado, pois entendeu que as declarações tiveram “caráter genérico”.