Milhares em Belarus voltam às ruas para protestar - WSCOM

menu

Internacional

25/03/2006


Milhares em Belarus voltam às

Milhares de pessoas que protestam contra o resultado das eleições em Belarus estão realizando uma demonstração em um parque da capital do país, Minsk, neste sábado.

Os manifestantes se concentraram no parque depois que forças especiais fecharam o acesso à Praça de Outubro, onde eles pretendiam realizar a demonstração.

Segundo resultados oficiais, o presidente Alexander Lukashenko foi eleito para um terceiro mandato na votação do último domingo, mas a oposição alega que houve fraude.

Dois líderes da oposição derrotados, Alexsander Kazulin and Alexsander Milinkevich, discursaram para os manifestantes, estimulando-os a manter os protestos para pressionar o governo.

“As pessoas saíram às ruas hoje, eles vieram para enfrentar trincheiras, para enfrentar prisões. Nós estamos trabalhando contra a ditadura. Quanto mais as autoridades reprimirem, mais perto estarão do seu fim”, disse Milinkevich, segundo a agência de notícias Associated Press.

A demonstração ocorre um dia depois de a polícia ter tirado da Praça de Outubro centenas de manifestantes que participavam de um protesto no local desde domingo, dia da eleição.

A operação foi condenada por Estados Unidos e União Européia.

Sanções

O governo americano e o bloco europeu também anunciaram que pretendem impor sanções a Lukashenko e outros líderes de Belarus por não considerarem o processo eleitoral legítimo.

Os Estados Unidos pretendem impor sanções financeiras e restrições de viagem contra autoridades do país.

“Eles detiveram cidadãos de Belarus que estavam protestando pacificamente contra as eleições fraudulentas no dia 19 de março”, disse o porta-voz da Casa Branca, Scott McClellan, ao anunciar as medidas.

Alguns dos manifestantes que foram presos disseram que apanharam ao ser transportados para centros de detenção.

A União Européia também anunciou que imporá sanções contra líderes de Belarus.

A agência de notícias Reuters afirma ter informações de altos funcionários da UE de que o bloco vai proibir Lukashenko e outros membros do governo bielo-russo de entrar na União Européia e possivelmente congelar os seus bens.

O presidente diz que o pleito foi justo e democrático e que as reclamações eram “absurdas”.

Ele também avisou que não haverá no país nenhuma revolução semelhante a que provocou a mudança do governo na vizinha Ucrânia.

Notícias relacionadas