Mentor do Boom econômico de Lisboa diz que João Pessoa desperdiça potencial do Centro Histórico - WSCOM

menu

Paraíba

27/05/2018


Mentor do Boom econômico de Lisboa diz que João Pessoa desperdiça potencial do Centro Histórico

Foto: autor desconhecido.

 

O diretor executivo do INVEST LISBOA, Rui Coelho, deixou João Pessoa neste domingo já em retorno à Capital portuguesa, reproduzindo o conceito que nossa Capital desperdiça injustificadamente a ocupação econômica e habitacional sistemática do Centro Histórico com nova vocação de desenvolvimento regional invertendo prioridades, que só mais na frente verá o tamanho da perda para se afirmar como Polo de Inovação e Cultura.

– Ficamos muito bem impressionados com a qualidade arquitetônica e estrutural do Centro Histórico de João Pessoa, que bem nos lembra Lisboa, mas com visíveis indicios de que anda a desperdiçar a possibilidade de ser um novo centro de Economia Criativa do Nordeste – afirmou Rui Coelho depois de ter Palestra, reuniões empresariais e com instituições a exemplo da Câmara Municipal, UFPB, Fecomercio, Associação Comercial, além de ter conhecido a cidade a partir do manguezal do Porto do Capim.

Para ele, João Pessoa vive o mesmo problema de Lisboa há 10 anos atrás quando era cercada de desesperança, descrédito e ações pontuais isoladas sem resultados sistêmicos em favor da cidade. “Somente quando houve decisão politica e envolvimento da sociedade organizada é que chegamos ao patamar de agora, mas enfrentamos os mesmos problemas”.

Conforme destacou, “não significa ignorar outras áreas, mas vosso Centro Histórico é um grande potencial diferenciado comparando outras capitais do Nordeste que precisa de urgente nova ocupação”.

Rui Coelho levantou dados, fez fotos e vídeos prospectando a possibilidade de dar sequência a entendimentos bilaterais entre instituições de Lisboa e João Pessoa mostrando-se aberto a intercâmbio de negócios e até entre instituições universitárias na área de startups.

– Continuamos muito abertos aos brasileiros da Paraíba e queremos contribuir com novas fases nos negócios e nas relações institucionais – repetiu.
Bom, dito tudo isso por quem mudou o rumo econômico de Portugal só nos resta manter a chama acesa e indagar: “ até quando vai ser assim?”.

Notícias relacionadas