Lula embarca para a Rússia para falar sobre providências contra aftosa - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

14/10/2005


Lula embarca para a Rússia

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, vão tentar explicar aos russos, o segundo maior importador de carne brasileira, que já foram tomadas todas as providências sanitárias necessárias para controle do foco de febre aftosa em rebanho de Mato Grosso do Sul.

Lula disse hoje em Portugal que não faltaram recursos para a vigilância da região, mas o deputado Waldemir Moka (PMDB-MS) disse que o governo “não liberou nenhum centavo em 2005”.

Lula e Rodrigues embarcam para a Rússia na próxima terça-feira. De acordo com a Agricultura, serão explicadas as providências tomadas junto à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), para tentar reverter o embargo que os russos e outros países fizeram à carne brasileira, depois do foco de aftosa em Eldorado.

O ministro se encontrou hoje com o governador do MS, José Orcírio dos Santos, o Zeca do PT, para discutir a situação. O governador credita a origem da doença a rebanho do Paraguai, que teria entrado no país. Rodrigues criou comissão técnica para apurar as causas do foco e disse que vai liberar mais R$ 78 milhões para a área sanitária, além dos R$ 91 milhões previstos no Orçamento 2005.

Já o deputado Moka, membro da Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados, disse que ” o momento não é de fazer caça às bruxas ” , mas o governo federal não pode se eximir da responsabilidade de retenção de recursos.

“Temos que resolver o problema o quanto antes, para não prejudicar ainda mais a economia do Estado e, principalmente, a do país”, afirmou. Segundo ele, os repasses do governo Lula para a defesa animal caíram “cerca de 75%” em relação aos quatro últimos anos do governo anterior.

Pelos dados apresentados por Moka, entre 1999 e 2002 foram investidos R$ 8,1 milhões, contra R$ 1,9 milhão nos três anos do governo atual, com a queda na média anual de liberações, de R$ 2 milhões para pouco mais de R$ 600 mil. Ele disse ainda que a Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal do MS tem pedidos no valor de R$ 4 milhões, em 2005, “mas nada foi liberado até agora”.

Notícias relacionadas