Localizada peça onde fica caixa-preta do voo 447, diz associação - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

12/04/2011


Localizada peça onde fica caixa-preta

voo 447

Foto: autor desconhecido.

As equipes de buscas localizaram a parte do avião na qual avaliam estar preservada a caixa-preta do voo 447, afirma Nelson Faria Marinho, presidente da Associação de Famílias das Vítimas. O representante da entidade disse ter sido informado da descoberta em reunião na segunda-feira (11) pelo BEA (sigla que em francês significa o Escritório de Investigação e Análises).

O acidente com o avião da Air France aconteceu em junho de 2009 e matou 228 pessoas. As causas da tragédia ainda não foram esclarecidas.

“O robô localizou a cauda onde ficam localizadas as caixas-pretas”, disse Marinho. Ele explica que a previsão é que nas próximas três semanas uma nova empresa entre nos trabalhos de buscas com uma espécie de guindaste para retirar a cauda e, nela, as caixas-pretas.

No domingo (3), foi realizado o anúncio de que as equipes de busca localizaram destroços do Airbus A 330-203 concentrados em uma área específica do Oceano Atlântico. Imagens divulgadas pelo governo francês mostraram duas turbinas, o trem de pouso, parte de uma asa e de uma fuselagem do avião.

Além das peças e fuselagem, corpos também foram encontrados. Entretanto, não foram informados detalhes sobre o assunto. Até hoje, só foram recuperados os corpos de 50 dos 228 passageiros.

A quarta fase de buscas teve início no dia 25 de março, quase dois anos depois do acidente. Três navios foram pré-selecionados para a viagem, que conta ainda com robôs-submarinos. Os restos do avião foram encontrados a 3,9 mil metros de profundidade, em uma área relativamente plana, com 600 metros de extensão.

Segundo o piloto e especialista em segurança Jorge Barros, as caixa-pretas dos aviões ficam instaladas nas caudas das aeronaves e guardam todos os dados das últimas 100 horas de voo e 36 horas de gravação de voz e sons da cabine dos pilotos. Ele acredita que os dados devem ser recuperados.

"É bem provável que ela tenha acesso a informações preservadas, pois são gravadas em memória flash, dentro de cilindros de titânio, que resiste a fogo, impacto e são cápsulas muito resistentes, que parecem couraças de submarino", disse.

Processos contra empresas

O presidente da associação de vítimas avalia que a localização das caixas-pretas vai auxiliar as famílias em processos movidos contra Air France, que operava o voo, e contra a Airbus, fabricante do avião.
“Com isso, a esperança dobra. Houve irresponsabilidade do fabricante da aeronave e houve problema de manutenção da Air France. Isso vai confirmar o que vem sendo dito”, afirmou.

Equipamento
O robô-submarino Remus 6000, que chegou a dez metros de distância dos destroços, foi o responsável pela captação das primeiras imagens dos destroços no fundo dos oceanos. Três unidades do veículo autônomo – que não precisa de um operador humano para funcionar – foram usados na missão.

 

Notícias relacionadas