Lígia representa Ricardo em reunião sobre segurança pública com presidente Temer em Brasília - WSCOM

menu

Política

01/03/2018


Lígia representa Ricardo em reunião sobre segurança pública com presidente Temer em Brasília

Foto: autor desconhecido.

 A vice-governadora Lígia Feliciano representou o governador Ricardo Coutinho na reunião com o presidente Michel Temer nesta quinta-feira (1º), no Palácio do Planalto, em Brasília, cujo tema principal foi a segurança pública. Além da Paraíba, participaram da reunião governadores de outros Estados, ministros, os presidentes do Senado, Eunício Oliveira, e da Câmara, Rodrigo Maia, e a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, além do recém-empossado ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, e o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro.

 O governo tem um plano de ajuda financeira aos estados para reequipamento das polícias locais e estaduais. “Foi anunciada uma linha de crédito para os estados investirem na área. A maior parte desses recursos estará disponível ao longo de cinco anos, através do BNDES. A intenção é a criação de um plano futuro de integração das ações entre os estados, e o combate aos crimes”, informou  a vice-governadora.

 Ligia Feliciano adiantou que durante a reunião houve uma ampla discussão sobre a segurança pública. “Sabemos que os números da Paraíba se destacam pela crescente diminuição nos índices de criminalidade, graças ao trabalho efetivo do governador Ricardo Coutinho, e das Polícias Civil e Militar, mas o Brasil precisa de uma politica pública em nível nacional”, destacou.

 Os recursos do plano de ajuda financeira aos estados fazem parte do Programa Nacional de Segurança Pública, que busca reduzir os índices de criminalidade no país. Entre as metas para 2018 estão equipar as forças de segurança e defesa e ampliar a coordenação nacional da atuação no setor de segurança pública, via Ministério Extraordinário de Segurança Pública. De 2019 a 2022, o plano tem como objetivos incrementar investimentos nos equipamentos penitenciários e ferramentas de controle, além de ampliar o patrulhamento das áreas de fronteira.

 O programa será gerido por um comitê composto pelos Ministérios da Segurança Pública, Casa Civil, Defesa, Planejamento, além da Secretaria de Governo, Gabinete de Segurança Institucional da Presidência e BNDES.

Notícias relacionadas