Lideranças paraibanas participam do velório e lamentam morte do ex-governador Mi - WSCOM

menu

Política

15/08/2005


Lideranças paraibanas participam do veló

EXCLUSIVO – O velório e sepultamento do ex-governador de Pernambuco, Miguel Arraes, atraiu milhares de pessoas no Palácio Campo das Princesas, sede do Governo. Da Paraíba, segundo informações de Enviado Especial do portal WSCOM Onlineestavam o prefeito de João Pessoa, Ricardo Coutinho, o vice Manoel Júnior e a vereadora Paula Frassinete. O governador Cássio Cunha Lima, embora anunciado, não foi visto.

– O Brasil sente muito a falta do lider Miguel Arraes, sobretudo neste momento nacional diante dos fatos conhecidos de todos – lembrou Ricardo adiantando que “os ensinamentos dele precisam ser postos em prática, logo ele que passou todo esse tempo sem envolvimento com qualquer fato desabonador”.Acompanhando o funeral de dentro do Palácio das Princesas, o repórter Onivaldo Júnior não chegou a ver o governador paraibano no local. A assessoria do Governo do Estado ainda não confirmou se ele participará do sepultamento, marcado para às 16 horas no Cemitério Santo Amaro.

Segundo Manoel Júnior, “participei a partir de 86 de sua volta às atividades politicas com lembrança de comicio que fizemos em Pedra de Fogo, juntos, mesmo porque minha geração tinha nele o simbolo de responsabilidade e amor ao Brasil”.

De acordo com dados divulgados pela Polícia Militar de Pernambuco, mais de cinco mil pessoas estão concentradas nas imediações do velório.

Na comitiva paraibana, além de Ricardo, Manoel Junior, Nadja Palitot e Paula Frassinete estavam ainda secretários Herbert Palitot, Edmilson Soares e Rubens Freire.Próxima – A vereadora Paula Frassinete (PSB-PB) ficou ao lado do caixão onde estava o corpo do ex-governador. Ela presenciou muitas autoridades e populares aproximarem-se para dar o último adeus a Miguel Arraes.

O corpo do ex-governador deixou o Palácio das Princesas às 16h, de onde seguiu em um carro do Corpo de Bombeiros até o cemitério onde foi sepultado. Milhares de pessoas seguiram o cortejo fúnebre a pé, como forma de homenagear o líder político socialista.

A carreira – Miguel Arraes de Alencar foi eleito governador de Pernambuco três vezes. Nascido em 15 de dezembro de 1916, em Araripe, Ceará, ele iniciou sua carreira política em 1948, ocupando o cargo de secretário estadual da Fazenda, durante o governo de Barbosa Lima Sobrinho em Pernambuco.

Em 1962, Arraes foi eleito pela primeira vez governador de Pernambuco, porém não concluiu o mandato sendo deposto pelo Golpe Militar. Teve passagens por algumas prisões brasileiras, seguindo para a Argélia em 25 de maio de 1965. Após 14 anos de exílio, voltou ao Brasil beneficiado pela anistia e ingressou no PMDB.

Nas eleições de 1980, foi o deputado federal mais votado do Nordeste e, quatro anos depois, retornou ao governo de Pernambuco pelo voto popular. Em 1990, Arraes deixou o PMDB e filiou-se ao PSB, pelo qual se elegeu deputado federal no mesmo ano.

De 1994 a 1998 ocupou pela terceira vez o cargo de governador de Pernambuco. Uma das oito vagas de deputado federal pela bancada pernambucana foi a última conquista de sua trajetória política.Parente do escritor José de Alencar e do primeiro general-presidente da ditadura, Humberto de Alencar Castelo Branco, Miguel Arraes era casado com dona Madalena. Tinha dez filhos e um de seus netos é o ex-ministro da Ciência e Tecnologia, Eduardo Campos.

A morte – De acordo com o boletim dos médicos, Arraes morreu em função de um choque séptico causado por uma infecção excretória, o qual gerou múltipla falência dos órgãos. Como agravante, o deputado sofreu também de insuficiência renal, levando-o à morte às 11h40 deste sábado.

Miguel Arraes foi internado dia 16 de junho na UTI do Hospital Esperança com quadro de infecção pulmonar. Nas últimas semanas, Arraes apresentou problemas renais graves e recebia diariamente sessões de hemodiálise.

Segundo os médicos, nos últimos dias Arraes chegou a apresentar melhora no quadro clínico graças à regressão de uma infecção pulmonar. Mas a sua situação piorou na madrugada deste sábado, 13. O político cearense, que fez carreira em Pernambuco, recebeu a extrema-unção às 11h.Aliada de Arraes – A vereadora Nadja Palitot, chegou ao Palácio das Princesas acompanhada do marido, o secretário de Ciência e Tecnologia de João Pessoa, Herbert Palitot. Emocionada, Nadja não conteve as lágrimas, e destacou uma postura de Arraes como um político que representará sempre um norte ético para a política.

“Arraes nos deixa num momento muito difícil. Não só os socialistas, mas os brasileiros sentem uma orfandade muito grande. Usando as palavras do padre que celebrou uma missa agora há pouco, Miguel Arraes não é um homem que se enterra, é um homem que se planta e dessa árvore muita coisa boa brotará”, disse.

Notícias relacionadas