Líder do Governo crítica colegas e diz que reprovação do voto aberto na ALPB é “retrocesso” - WSCOM

menu

Política

28/12/2018


Líder do Governo crítica colegas e diz que reprovação do voto aberto na ALPB é “retrocesso”

Imagem: Reprodução

Por Ângelo Medeiros / Portal WSCOM

O líder do Governo na Assembleia Legislativa da Paraíba, Hervázio Bezerra (PSB), lamentou a reprovação de projeto de Resolução de sua autoria, em plenário nesta sexta-feira (28), que transformaria em aberto o voto para a escolha das próximas Mesa Diretoras da Casa de Epitácio Pessoa. De acordo com o socialista, a decisão da maioria, inclusive de colegas da base governista, representa um retrocesso à democracia.

 

“É um retrocesso, mas tenho que me curvar a decisão e a vontade da maioria. Não me cabe e não tenho o direito de agredir a qualquer companheiro. Agora, disse que a aprovação do projeto era o fim dos ‘traíras’, porque acompanharíamos voto a voto, com o camarada mostrando a cara”, disse.

 

 

Ainda segundo Hervázio, a reprovação da matéria veio em péssima hora, principalmente, após outras casas legislativas já terem aderido à transparência pública de suas votações. “Tivemos a cassação de uma presidente com o seu impeachment pelo voto aberto, toda a sociedade clama por isso. A Câmara Municipal de João Pessoa é voto aberto, a Câmara de Campina Grande é voto aberto, a Câmara Federal vai ser voto aberto”, disse.

 

Sem citar nomes, Hervázio Bezerra ainda criticou a postura de colegas da base que optaram pela rejeição à matéria. “É correto você passar horas em reuniões, assinar um documento, tornar esse documento público e, de repente o cara vir e trair? Não acho que isso seja ético e que a sociedade queira isso, nem acima de tudo que a democracia preze por isso”, frisou.

 

O líder do Governo esteve envolvido em polêmica com colegas da base após ter chamado de “traíras” aqueles que não votassem favorável ao projeto.    

 

No plenário, 21 deputados votaram contra o projeto, nove a favor e seis se abstiveram. Entre os governistas, Ricardo Barbosa (PSB), Branco Mendes (Podemos) e Tião Gomes (Avante) ressaltaram que o projeto representaria perda da autonomia dos parlamentares. Eles afirmaram também que continuam com apoio irrestrito ao governo, mas que não concordavam com o voto aberto. Outros parlamentares que estão de saída da ALPB, como Frei Anastácio e Anísio Maia justificaram que o PT orientava votação contrária em todas as matérias do gênero.