Lição de casa: os pais devem ajudar ou não? - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

29/05/2018


Lição de casa: os pais devem ajudar ou não?

Brasileiros dedicam oito horas por semana com atividades escolares dos filhos

Foto: autor desconhecido.

Depois de um dia cansativo, ao chegar em casa, o que a maioria dos alunos querem é um bom descanso. Mas as lições de casa sempre são um empecilho na hora do lazer. Que pai nunca testemunhou a batalha dos filhos na hora de fazer a lição? De um lado, as crianças argumentam que exercício todos os dias não serve para nada. De outro, pais preocupados com desempenho de seus filhos, cobram por disciplina e ficam com a dúvida, será que devo ajudar?

Um pesquisa da Fundação Educacional Britânica Varkey concluiu que pais brasileiros dedicam, em média, oito horas por semana ajudando os filhos com as atividades escolares – uma hora a mais do que a média global. Segundo a pesquisa, 46% dos pais brasileiros entrevistados consideram que não passam tempo suficiente auxiliando na educação dos filhos. “Tenho uma rotina intensa de trabalho, chego em casa exausta, acompanho as atividades que ainda não foram feitas mas, ainda assim, me cobro achando que deveria fazer mais. A culpa é uma companheira constante dos pais”, avalia a empresária Fernanda Carvalho, mãe de dois filhos.

Os especialistas alertam que, mais importante que o tempo dedicado a este acompanhamento, é o modo como os pais participam da vida escolar das crianças. A primeira recomendação é nunca ceder à tentação de resolver os problemas da tarefa para as crianças. Esse é um momento onde elas devem praticar autonomia.

A lição de casa serve para indicar à escola o que os alunos aprenderam ou não. Mais um motivo para os pais serem cautelosos ao intervir. Ao mesmo tempo, as tarefas também podem ser um bom gancho para conversas entre pais e filhos – seja sobre os temas das lições ou sobre o cotidiano das crianças na escola. A escola, por sua vez, tem um papel crucial nesse processo, que é garantir que a tarefa de casa reforce o conteúdo dado em sala de aula de modo estimulante e construtivo. Os exercícios não podem ser para castigar o aluno, mas sim para ajudar no desenvolvimento de competências.

É preciso estar sempre atenta ao processo de aprendizagem dos filhos. Lariane de Almeida, mãe de Fernanda Silva, 10 anos, sempre teve o costume de revisar os exercícios da filha e ficar por dentro de tudo, até mesmo na época em que Fernanda fazia reforço escolar. “Quando acompanhamos, percebemos de perto as dificuldades dos n

ossos filhos e encontramos maneiras de ajudar”, reflete.

Antes de estudar com a filha Lariane confessa que tem um ritual, porque Fernanda perde a concentração com facilidade. “Saio desligando tudo. Além disso, eu sempre começo pelas atividades que ela não gosta para evitar o cansaço e tento ensinar de maneira prática e lúdica para que ela aprenda com mais facilidade”, revela. A dona de casa também deixa que a filha faça as atividades sozinha para que ela vá criando mais responsabilidade. “Tem atividade que ela faz só e depois eu só corrijo, porém, na semana de prova, eu sempre auxilio com as revisões”, contou.

As atividades devem ser criativas, dinâmicas, interessantes e desafiadoras. Só assim farão sentindo para o aluno e despertarão, por meio do estímulo, o gosto pelo estudo e pela reflexão. Nesse momento, é importante também investir em uma escola que se preocupe com isso. E, se além de boa, a escola te oferece desconto? Através do Educa Mais Brasil seu filho pode estudar com 50% de desconto na mensalidade. O programa educacional possui mais de 18 mil instituições parceiras que oferecem bolsa de estudo para Educação Básica. Seu filho pode estar cursando tanto a Educação Infantil, Ensino Fundamental ou Ensino Médio. Se interessou? É muito simples. Acesse o site do Educa Mais, escolha a série que seu filho se encontra e procure pela escola do seu interesse. Não perca tempo. A inscrição é gratuita.

 

Ascom Educa Mais Brasil