LEIA: Grupos de WhatsApp planejam ataques contra caravana de Lula - WSCOM

menu

Política

28/03/2018


LEIA: Grupos de WhatsApp planejam ataques contra caravana de Lula

"Tem que meter bala, aproveita que tá de noite, mirar nos pneus, motor", diz um dos suspeitos

Foto: autor desconhecido.

O Ministério Público do Paraná acatou, na manhã desta quarta-feira (28), uma representação do Coletivo de Advogados e Advogadas pela Democracia (CAAD), que denuncia dez suspeitos do atentado contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ocorrido na tarde de ontem (27).

De acordo com o procurador de justiça do Paraná, Olympio Sotto Maior Neto, o atentado, três tiros dados contra dois dos ônibus da Caravana, foi uma “barbárie inaceitável”. “Estamos diante de uma situação clara onde não há apenas falta de civilidade, mas a prática de crimes. A apologia e incitação a prática de crimes, e ações concretas que culminam até em uma prática de homicídio. O Ministério Público tem o dever legal de apurar, de fazer a investigação e buscar a punição dos culpados. A matéria será encaminhada imediatamente à procuradoria geral”, afirmou o promotor.

O documento, representado pelos advogados Ivete Caribé da Rocha, José Carlos Portella Junior e Tânia Mara Mandarino, traz as denúncias enviadas anonimamente por cidadãos para o CAAD até a segunda-feira (26). De acordo com a advogada Tânia Mandarino, o coletivo recebeu mais de cem emails com denúncias. Parte delas trazem prints de conversas no Whatsapp dos grupos “Caravana Contra Lula 26/03” e “Foz contra Lula 26/03”, nos quais integrantes afirmam a intenção de trocar os ovos e pedras, que vinham sido atirados contra a Caravana desde seu início, por tiros de munição letal.

“Gente, vamos trocar os ovos por bala de borracha e munição letal, que vai ser bem mais eficaz”, diz um dos integrantes do grupo Caravana Contra Lula 26/03, em uma mensagem enviada às 9h50 da segunda-feira (26). “Gosto da ideia, seria o primeiro a atirar, mas aí nós seríamos os vilões”, responde outro integrante.

Posteriormente, acontece o seguinte diálogo:

— “Vou para o Paraguai comprar um fuzil, é o único jeito kkkkk”.

— “Vai na loja de arma, compra um puma 38 ou 44, é mais fácil do que você imagina”.

— “Aí é só se posicionar do outro lado do rio e mandar uma bala certa”.

Horas depois, às 23h38, um outro integrante enviou a seguinte mensagem: Tem que meter bala, aproveita que tá de noite, mirar nos pneus, motor e Bala”. Paralelamente, no grupo “Foz contra Lula 26/03”, às 10h53 da mesma segunda-feira, um integrante do grupo mandou a mensagem “Onde arruma esses miguelitos?”. Um segundo integrante respondeu: “Não vamos dar chance nem deles descerem do ônibus”.

Os miguelitos são uma espécie de cruz feita com pregos, e foram justamente utilizados para furar os pneus dos ônibus das Caravanas ontem, como parte da emboscada.

O coletivo solicitou ao Ministério Público que o atentado seja considerado crime federal e pediu a prisão preventiva dos suspeitos, principalmente de um deles que possui diversas armas regularizadas e participa de movimentos de extrema direita. “Na denúncia, um suspeito é considerado de grande perigo, pois tem porte de armas e seria ligado ao MBL. Estamos considerando esse grupo como é formação de quadrilha, pois eles planejavam um atentado contra a caravana”, alerta Tânia Mandarino.

Além dos casos registrados no Paraná, o CAAD também vai relatar outros incidentes ocorrendo em Santa Catarina e o Rio Grande do Sul. O pedido é que o Ministério Público do Paraná encaminhe as denúncias para os Estados vizinhos. A notícia crime identificou 29 suspeitos.

A Caravana segue seu percurso e termina hoje com um ato político na Praça Santos Andrade, no centro de Curitiba (PR).

Abaixo, os prints que constam na denúncia. 

 

 

 

Brasil de Fato