Kim Jong-un chega a Singapura para cúpula com Trump - WSCOM

menu

Internacional

10/06/2018


Kim Jong-un chega a Singapura para cúpula com Trump

Encontro histórico está agendado para terça-feira (12) na ilha de Sentosa

Foto: autor desconhecido.

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, chegou neste domingo (10) a Singapura, dois dias antes da histórica reunião que deve ter na terça-feira (12) com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na cidade-estado do sudeste asiático.

Kim aterrissou no aeroporto Changi de Singapura pouco antes das 15h (horário local, 4h em Brasília), informou o ministro de Exteriores de Singapura, Vivian Balakrishnan, na sua conta do Twitter. “Dei as boas-vindas ao presidente (do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte) Kim Jong-un, que acaba de chegar a Singapura”, tuitou o chefe da diplomacia local junto com uma foto na qual aparecia apertando a mão de Kim.

As câmeras de televisão mostraram uma comitiva de veículos deixando o aeroporto e uma multidão esperando no hotel Saint Regis do centro de Singapura, no qual espera-se que Kim fique hospedado.

O líder norte-coreano deve se reunir hoje com o primeiro-ministro Singapuriano, Lee Hsien Loong, que amanhã receberá também Trump.

Kim viajou em um avião Boeing 747 de Air China, companhia aérea estatal chinesa, que decolou esta madrugada de Pequim e pegou o líder norte-coreano em Pyongyang, segundo imagens captadas pela imprensa.

O líder norte-coreano viajou acompanhado de Kim Yong-chol, considerado o braço direita do ditador e vice-presidente do Partido dos Trabalhadores; o chanceler norte-coreano, Ri Yong-ho; Ri Seu-Yong, responsável de Exteriores do Partido; e Kim Chang-son, o chefe de gabinete de Kim Jong-un.

Kim Yong-chol é visto como uma figura-chave no processo de diálogo entre o regime e os EUA após viajar no começo do mês a Washington para se reunir com Trump e o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, em um encontro que serviu para confirmar a realização da esperada reunião.

Além da comitiva que acompanha Kim, uma delegação norte-coreana já está na cidade-estado negociando os preparativos para a cúpula.

O presidente norte-americano Donald Trump disse no sábado (9) que qualquer acordo com o líder norte-coreano será “no impulso do momento”, sublinhando o resultado incerto do que chamou de uma “missão de paz”.

O encontro histórico está agendado para terça-feira (12) na ilha de Sentosa, frente à costa da ilha principal de Singapura.

“Eu tenho um objetivo claro, mas tenho que dizer – será algo que será sempre no impulso do momento”, disse Trump a jornalistas em uma entrevista coletiva na Cúpula do G7 em Quebec. “Você não sabe. Isso nunca foi feito nesse nível antes”.

Trump deixou o encontro de líderes do G7 mais cedo, antes de discutir a mudança climática e a saúde dos oceanos, exacerbando as fraturas do grupo em relação às tarifas comerciais impostas pelos EUA.

A principal questão a ser discutida na reunião do dia 12 de junho em Singapura é a exigência dos EUA para que a Coreia do Norte abandone o programa de armas nucleares.

Trump disse que provavelmente levaria tempo para chegar a um acordo com Kim sobre a desnuclearização, mas ele disse que acredita que, no mínimo, o encontro poderia produzir uma “relação” entre os EUA e a Coreia do Norte, que não possuem laços diplomáticos.

Em uma entrevista coletiva com o primeiro ministro japonês Shinzo Abe na quinta-feira (7), Trump disse que pode convidar Kim para uma visita a Washington. Pyongyang já rejeitou a desistência de seu arsenal unilateralmente e defende seus programas nuclear e de mísseis preventivos para o que vê como agressões dos norte-americanos.

Os Estados Unidos possuem 28,5 mil soldados na Coreia do Sul, um legado da Guerra da Coreia. Trump resiste à possibilidade de fechar um acordo para encerrar formalmente a Guerra da Coreia, que durou entre 1950 e 1953, e foi concluída com uma trégua, e não um tratado de paz.

G1