Judiciário anuncia remanejamento de grevistas e contratação de estagiários - WSCOM

menu

Paraíba

31/03/2006


Judiciário anuncia remanejamento de grev

A Mesa diretora do Tribunal de Justiça anunciou nesta quinta-feira novas providências para regularizar o funcionamento dos cartórios judiciais em todo o Estado, entre eles um plano de remanejamento dos servidores que não aderiram ao movimento grevista e a contratação, em caráter de urgência, junto às universidades, de estagiários do curso de direito, visando assim viabilizar a normalidade no atendimento à população.

As informações foram prestadas no final da tarde desta quinta-feira, pelo juiz Carlos Eduardo Lisboa, Assessor Especial da Presidência, ao confirmar que o presidente do TJ, desembargador João Antônio de Moura, vai manter as propostas que foram feitas aos servidores, contemplando aqueles que estão trabalhando e os que voltarem às suas atividades.

Ele disse ainda que as medidas adotadas pelo TJ em relação ao movimento grevista, inclusive com a ilegalidade, continuarão sendo adotadas, a exemplo do corte de ponto, corte de gratificações e devolução de servidores às unidades de origem. Observou ainda Assessor que o TJ não abrirá mão de suas prerrogativas no sentido de buscar a normalidade das atividades.

Segundo o magistrado, a preocupação do presidente, no momento, é com a sociedade, que não pode ser penalizada por uma greve precipitada, deflagrada por parte de uma categoria que tem percebido vários benefícios ao longo dos últimos 10 anos, ao contrário do que as lideranças sindicais têm divulgado.

Somente para se ter uma idéia e avaliar os ganhos dos serventuários da Justiça, nos últimos seis anos um Oficial de Justiça de 3ª Entrância, hoje Analista Judiciário, percebeu melhorias na remuneração em torno de 198%, ou seja, um Analista percebia em 2000 uma remuneração de R$ 751,04, com todas as vantagens. Hoje, esse mesmo servidor estará percebendo um salário de R$ 2.244,32, mais os anuênios, 20% de abono permanência e ainda as diligências judiciais que são pagas por intermédio dos advogados da parte,perfazendo uma remuneração mensal em torno de R$ 3 mil.

Outro dado importante que deve ser observado e que contraria as informações que vêm sendo divulgadas pelos grevistas é que no ano passado os serventuários do Judiciário atingiram reajustes que variaram entre 66% e 164%, de acordo com cada categoria, depois da aprovação de um Plano de Cargos e Salários, sendo o último reajuste concedido em 2005.

Carlos Eduardo explicou que a Presidência do TJ está preocupada com os servidores e trabalha visando melhorias, tanto é assim, que em nenhum momento fechou diálogo com os servidores. Ele mais uma vez fez um apelo pelo bom sendo dos funcionários para que voltem ao trabalho.

Notícias relacionadas