João Pessoa irá ganhar obra de Oscar Niemeyer - WSCOM

menu

Entretenimento

02/08/2005


João Pessoa irá ganhar obra

Dois dias antes de João Pessoa completar 420 anos, o prefeito Ricardo Coutinho (PSB) antecipa o que será um dos maiores presentes para a cidade: um projeto do arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer. A revelação da obra arquitetônica que promete transformar-se em mais um cartão-postal da Capital acontece nesta quarta-feira (3), às 10h, no Auditório do Palacio Municipal, Centro.

Do projeto pode-se antecipar que será um centro de atração turi­stica. O espaço estará destinado à difusão de atividades cienti­ficas, arti­sticas e culturais. Finalidades que não perdem de vista o desenvolvimento sustentável e reservam lugar para a inclusão social com geração de emprego e renda.

No evento que vai tornar público o projeto, destaque para as presenças dos arquitetos Luis Marssal Ferreira e Cydno Ribeiro da Silveira, do escritório de arquitetura de Niemeyer, com sede no Rio de Janeiro. Eles também assinam a elaboração do presente que será entregue à cidade de João Pessoa na semana de seu aniversário.

O arquiteto Oscar Niemeyer Soares Filho nasceu no Rio de Janeiro, em 15 de dezembro de 1907. Os 97 anos de idade depuraram ousadia e criatividade, e continua a fazer de sua arquitetura verdadeira obra de arte. O diploma de Engenheiro Arquiteto pela Escola Nacional de Belas Artes, em 1934, marcou o início de sua vida profissional ao lado de arquitetos como Laecio Costa, um dos projetistas de Brasí­lia.

O toque de originalidade de Niemeyer ganhou o cenário da arquitetura contemporânea através das estruturas de concreto armado em formas curvas, como as colunas do Palácio da Alvorada e as cúpulas côncava e convexa do Congresso Nacional, em Brasília (1958).

Prêmios, condecorações e títulos nacionais e internacionais fazem referência à sua arquitetura. Mas, são obras como o Conjunto da Pampulha, em Belo Horizonte (1943); a Sede das Nações Unidas, em Nova York (1947); o Parque Ibirapuera, em São Paulo (1951); o Museu de Caracas, na Venezuela (1954); a Sede do Partido Comunista, em Paris (1966); o Museu de Arte Contemporânea de Niterói, no Rio de Janeiro (1996) e a recente Serpentine Gallery, em Londres (2003), que o tornam um gênio

Notícias relacionadas