Jarbas Mariz lamenta morte do músico Lula Côrtes - WSCOM

menu

Música

01/04/2011


Paraibano lamenta morte de Lula Côrtes

De luto

Foto: autor desconhecido.

O cantor e compositor paraibano Jarbas Mariz lamentou em forma de texto a morte do também músico Lula Côrtes (foto), com quem gravou um disco em 1988, ‘Bom Shankar Bolenajh’, e com quem compôs diversas canções.

Lula Côrtes morreu na madrugada do dia 26 de março, vítima de câncer. Parceiro de Zé Ramalho no lendário disco Paêbnairu, Lula é daa geração de Alceu, Geraldo Azevedo, Zé e Elba, mas por ter um trabalho mais experimental não chegou ao grande público.

Leia abaixa o lamento de Jarbas Mariz

A Música Brasileira está de luto! Perdemos Lula Côrtes, um dos criadores de um dos mais importantes movimentos culturais brasileiros que teve início no final dos Anos 60, e que gerou uma série de acontecimentos envolvendo a
Poesia, a Pintura, a Música e a Produção Cultural de forma geral.

Foi no início dos Anos 70, ainda na Paraíba, que Zé Ramalho me levou para conhecer todo esse Universo, que existia em Apipucos, bairro de Recife, criado por Lula e sua parceira Kátia Mesel.

A partir daí ficamos amigos, e o Lula vinha participar de shows meus em João Pessoa, e participei da gravação de seus Discos “Paêbiru” (com Zé Ramalho) e “Rosas de Sangue”. Durante os Anos 80, no Rio de Janeiro, onde então morávamos, fizemos várias parcerias.

No final da década de 80, Lula e eu, nos reencontramos aqui em São Paulo onde começamos um trabalho novo.  Gravamos o LP instrumental “Bom Shankar Bolenath”, somente com composições nossas. Passávamos noites e noites compondo as músicas. Esse LP é como se fosse o seu primeiro disco “Satwa”, só que com uma linguagem mais moderna, e nele tivemos a participação de grandes músicos.

Depois do disco lançado, começamos a compor músicas com letras e quem conhece a obra de Lula sabe que ele era um ótimo letrista. Fizemos muitas canções, a exemplo de algumas gravadas nos meus CDs “Vamos lá pra Casa” e
“Do Cariri pro Japão”; e no CD “Lula Côrtes e a Má Companhia”. Aliás, creio que de lá pra cá, em todos os CDs que gravamos, nossas músicas estão presentes.

Nos dias de hoje, apesar de eu morar em S. Paulo e ele em Recife, nós sempre mantivemos contato. Conhecer Lula e ser amigo dele, só fez enriquecer o meu trabalho e a minha vida, pois ele era muito criativo e um grande ser humano como pessoa, ligado sempre em 220v. Eu me sinto privilegiado por ter conhecido, trabalhado e sido amigo de Lula Côrtes, durante todos esses anos.

Hoje, a tristeza que me embala e me faz sonhar é a mesma que me consola, por saber que, quando acordar, tudo isso que vivi com meu parceiro e amigo “Ted Love” (como eu o chamava, na intimidade) continuará prá sempre sendo parte da minha realidade, como também da Arte e da Cultura Nordestina. Brasileira!

VIVA LULA CÔRTES!

de
JARBAS MARIZ

 

Notícias relacionadas