Itália reconhece conselho opositor líbio como único representante - WSCOM

menu

Internacional

04/04/2011


Itália reconhece conselho opositor líbio

Conflitos

Foto: autor desconhecido.

A Itália reconheceu o opositor Conselho Nacional de Transição (CNT) líbio como "único interlocutor legítimo" e considera que as propostas de saída da crise do regime de Kadhafi "não são confiáveis", afirmou nesta segunda-feira (4) o ministro das Relações Exteriores italiano, Franco Frattini.

"A Itália decidiu reconhecer o Conselho", declarou Frattini após um encontro com um enviado do CNT, Ali Al Issawi. "O regime de Trípoli está enviando pessoas à Grécia para fazer propostas. Estas propostas não são confiáveis. Não é possível aceitá-las", disse Frattini em referência a uma visita no domingo de um enviado do regime a Atenas.

A Líbia enfrenta uma batalha desde o começo deste ano, quando manifestações pedindo a renúncia do ditador Muammar Kadhafi, há 42 anos no poder, se tornaram confrontos violentos e passaram a ser reprimidos com força pelo regime. No dia 17 deste mês, a Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou uma resolução que valida quaisquer medidas necessárias para impedir um massacre de civis. Dois dias depois, a coalizão internacional liderada por Estados Unidos, França e Grã-Bretanha começou a bombardear a Líbia.

Grã-Bretanha

As operações dos aviões britânicos que participam na manutenção da zona de exclusão aérea na Líbia durarão pelo menos seis meses, afirmou o chefe da Real Força Aérea britânica (RAF) em entrevista ao jornal ‘The Guardian’.

"Estamos planejando com base em pelo menos seis meses e a partir de então veremos", declarou o marechal Stephen Dalton, acrescentando que a Líbia era a atual prioridade da RAF e considerou que a operação, no momento, era sustentável e não coloca em perigo os esforços britânicos em outros lugares.

A Grã-Bretanha lidera desde 19 de março, junto com os Estados Unidos e a França, as operações aéreas da coalizão internacional amparadas pela resolução 1973 do Conselho de Segurança da ONU, cuja direção militar está desde quinta-feira passada nas mãos da Otan.

Ataques

Citando testemunhas anônimas, a emissora árabe ‘Al Jazeera’ relatou nesta segunda-feira que forças leais ao ditador bombardearam o campo de petróleo de Misla, no leste da Líbia.

A reportagem, que surgiu como um breve texto na parte inferior da tela, não forneceu maiores detalhes.

Misla, operada pela Companhia de Óleo do Golfo Arábico (Agoco na sigla em inglês) e atualmente sob controle dos rebeldes, localiza-se no deserto, 400 km ao sul da cidade de Ajdabiyah, também nas mãos dos revoltosos.

 

Notícias relacionadas