Itália confirma alto risco de atentados e expulsa 701 muçulmanos - WSCOM

menu

Internacional

15/08/2005


Itália confirma alto risco de

Autoridades italianas confirmaram nesta segunda-feira que o risco de sofrer um atentado por uma rede terrorista internacional é “elevado”, e anunciaram a expulsão de 701 muçulmanos em situação ilegal.

O ministro do Interior, Giuseppe Pisanu, presidiu hoje a reunião do Comitê Nacional para a Segurança, da qual participaram altos funcionários do Gabinete e chefes dos diferentes corpos policiais e dos serviços secretos civil e militar.

O Comitê divulgou um comunicado em que confirma o temor de um atentado terrorista em solo italiano, especialmente após os que aconteceram nas últimas semanas em Sharm el-Sheikh, no Egito, e em Londres.

A ameaça terrorista é de “origem islâmica”, de acordo com o organismo, que reviu as medidas de prevenção aprovadas em julho pelo Parlamento e elaboradas pelo Ministério do Interior, que implicam um reforço da vigilância.

O controle estava concentrado em lugares vinculados aos imigrantes islâmicos, como centrais telefônicas, restaurantes de comida árabe e agências de envio de dinheiro ao exterior.

Policiais, carabineiros e agentes da Guarda de Finanças (Polícia fiscal e de fronteiras) realizaram, em poucos dias, 32.703 identificações que resultaram em 141 detenções e a abertura de procedimentos de expulsão do país.

Os afetados não estão necessariamente vinculados a redes terroristas mas, em sua maioria, não têm documentação para morar na Itália ou exibiram passaporte falso, o que pode ser punido com pena de até quatro anos de prisão. Os gerentes de alguns dos negócios investigados que cometeram irregularidades também foram postos à disposição da Justiça.

Em setembro, quando o Parlamento for reaberto, Pisanu explicará a aplicação das novas normas que pretendem garantir a segurança.

O Comitê determinou um roteiro de manobras para reagir a um eventual ataque terrorista, assegurando a ordem pública, os primeiros socorros e o posterior trabalho de investigação.

Nestes dias de férias, o ministério preparou uma forte operação de segurança em todo o país para proteger possíveis alvos de atentados, de edifícios oficiais a Embaixadas, quartéis ou centrais de abastecimento de energia.

Milhares de agentes e soldados com mais de 17 mil automóveis, 500 navios e 88 aviões e helicópteros participam da operação, segundo o comunicado do Comitê.

Notícias relacionadas