Iraque se prepara para realizar referendo histórico sobre a Constituição - WSCOM

menu

Internacional

13/10/2005


Iraque se prepara para realizar

O Iraque terminou nesta quinta-feira os preparativos para o referendo sobre o projeto da primeira Constituição da era pós-Saddam Hussein, uma votação histórica que já começou nesta quinta-feira nos centros de detenção e nos hospitais do país.

As últimas emendas foram realizadas no texto que será votado neste sábado (15), levando parte dos árabes sunitas a apoiar o projeto, enquanto que o mais prestigiado dos líderes religiosos xiitas, o grande aiatolá Ali Sistani, conclamou os iraquianos a votar “sim”.

A mais importante modificação permite ao Parlamento que será eleito em 15 de dezembro próximo a fazer emendas à Constituição. Com essa medida, os sunitas, se conseguirem contar com um número suficiente de deputados na Câmara, terão o poder de concretizar suas demandas, sobretudo as relacionadas à questão do federalismo, conceito que rejeitam.

Sayyed Ahmad Safi, outro responsável xiita em Karbala, declarou que “os iraquianos têm de votar a favor do projeto constitucional depois da emendas aprovadas na quarta-feira”.

A comunidade xiita do Iraque representa mais de 60% da população, e seus representantes, que triunfaram, com os curdos, nas eleições gerais de janeiro, controlam o aparelho de Estado.

Voto

Nesta quinta-feira, os detentos das prisões iraquianas, e dos campos e centros de detenção gerenciados pelos americanos começaram a votar, assim como os pacientes dos centros hospitalares.

“Os prisioneiros começaram a votar”, informou um dos representantes da comissão eleitoral independente, Abdel Hussein Hindawi, enquanto o Ministério iraquiano dos Direitos Humanos destacava que a operação de voto antecipado também estava sendo aplicada no centro de detenção de Abu Ghraib, a oeste de Bagdá, e no campo Bucca, no sul do país, gerenciados pelo Exército americano.

Porém, será mesmo no próximo sábado que a esmagadora maioria dos 15,5 milhões de eleitores iraquianos se pronunciarão sobre o texto, considerado como uma etapa essencial do processo político visando a estabilizar e a garantir a segurança do país.

Notícias relacionadas