Irã pode ter arma nuclear em 10 anos, dizem EUA - WSCOM

menu

Internacional

02/06/2006


Irã pode ter arma nuclear

O diretor do Serviço Nacional de Inteligência dos Estados Unidos, John Negroponte, disse em entrevista à BBC acreditar que o Irã poderia ter armas nucleares nos próximos dez anos.

“A estimativa que nós fizemos é que, entre o início e o meio da próxima década, eles podem estar em uma posição de ter uma arma nuclear, o que é causa de grande preocupação”, disse Negroponte.

O diplomata admitiu que o serviço de inteligência americano cometeu erros ao avaliar a capacidade nuclear do Iraque, mas acrescentou que lições foram aprendidas e medidas corretivas, tomadas.

“Acho que aprendemos muitas lições desde 11 de setembro assim como a partir dos erros cometidos antes da guerra com o Iraque em relação às armas de destruição em massa.”

Incentivos

Na avaliação de Negroponte, o Irã é um dos maiores financiadores do terrorismo.

“Eles (os iranianos) são o principal Estado patrocinador do terrorismo no mundo. O comportamento deles tem sido causa de preocupação não apenas no Líbano, Israel e territórios palestinos, mas também no Iraque.”

A crise nuclear com o Irã começou em 2003 quando os inspetores da Agência Nuclear da ONU (AIEA) comunicaram que o país havia ocultado um programa de enriquecimento de urânio por 18 anos.

O governo iraniano alega que o programa é usada para fins pacíficos, mas a comunidade internacional teme que Teerã esteja tentando desenvolver uma arma nuclear.

A AIEA levou o Irã ao Conselho de Segurança que, agora, analisa uma solução para o impasse.

Na quinta-feira, os cinco países membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU mais a Alemanha concordaram em oferecer um pacote de incentivos ao Irã para que o país suspenda o programa de enriquecimento de urânio.

Eles também determinaram a imposição de sanções, caso o Irã não interrompa o seu suposto programa nuclear.

Os detalhes do pacote só serão revelados depois que ele for apresentado ao Irã.

O acordo foi acertado em uma reunião em Viena entre os ministros das Relações Exteriores dos Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, China, Rússia, Alemanha e União Européia.

Notícias relacionadas