Informe epidemiológico nega risco de epidemia de dengue em CG - WSCOM

menu

Paraíba

14/05/2008


Informe epidemiológico nega risco de

Um novo informe epidemiológico sobre a dengue, divulgado pela Gerência de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde, nesta quarta-feira, 14, confirma que Campina Grande está fora do risco de epidemia da doença, conforme o que estabelecem os índices da Organização Mundial de Saúde. De acordo com a OMS, é considerada epidemia o Coeficiente de Incidência de 300 casos para cada 100 mil habitantes, número quase dez vezes menor que o do município, que registra 39,6 casos para cada 100 mil habitantes.

Entre os dias 7 e 13 deste mês, foram notificados 36 casos suspeitos da doença. O número é bem maior que na semana anterior, quando foram notificados apenas três casos porque a maioria é do Hospital Regional de Urgência e Emergência, que ficou por duas semanas sem enviar os dados para a Secretaria Municipal de Saúde, explicou a gerente de Vigilância Epidemiológica, Elília Maria Pombo. Desde janeiro, o número total de casos suspeitos notificados é de 222.

Ainda de acordo com o Informe Epidemiológico, na última semana, dez casos que estavam como suspeitos foram descartados. O Distrito de São José da Mata continua com o maior número de casos suspeitos, 40, seguidos dos bairros do Monte Santo (10), Bodocongó (9) e Santa Rosa (8). Nestes locais, a Vigilância Ambiental está intensificando as ações de combate ao mosquito transmissor da dengue. A faixa etária mais afetada pela dengue é entre 20 e 34 anos de idade, com 60 casos e as mulheres continuam sendo maioria, com 131 casos suspeitos, contra 91 casos em homens.

O Informe Epidemiológico está sendo divulgado semanalmente, com números oficiais sobre a dengue no município, com base nos dados retirados do Sinan (Sistema de Informação Nacional de Notificação de Agravos). “Pretendemos alertar a população para o fato de que, nesta guerra contra o mosquito Aedes Aegypti, todos nós somos co-responsáveis, ou seja, cada cidadão deve assumir o controle pelo menos no seu âmbito residencial”, disse a gerente de Vigilância Epidemiológica.

Os principais sintomas da dengue são febre, cefaléia, dor atrás dos olhos, falta de apetite, prostração, dor abdominal, entre outros. A orientação da Secretaria Municipal de Saúde é para que as pessoas, ao sentirem dois ou mais destes sintomas, procurem imediatamente a ajuda de um médico, de preferência na Unidade Básica de Saúde da Família mais próxima de suas residências, para que os profissionais possam realizar os devidos procedimentos e/ou encaminhamentos.

Notícias relacionadas