Igreja de Areia será restaurada; obra custará 97 mil reais com acompanhamento de - WSCOM

menu

Entretenimento

18/08/2005


Igreja de Areia será restaurada;

A comunidade de Areia – localizada no brejo paraibano e tombada, recentemente, como Patrimônio Histórico Nacional pelo Iphan – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – vem acompanhando todos os passos da restauração da Matriz de Nossa Senhora da Conceição. O projeto foi inscrito no FIC – Fundo Estadual de Incentivo à Cultura Augusto dos Anjos. Caso seja aprovado, as obras da Igreja Matriz de Areia deverão demorar sete meses e custar cerca de 97 mil reais.

Junto com os assessores do Iphan (órgão nacional) e Iphaep (responsável pelo patrimônio estadual), o pároco Adauto Tavares Gomes tem encontrado soluções para o problema das infiltrações. Localizadas principalmente no forro, as infiltrações levaram os técnicos estaduais a tomarem uma medida preventiva de escoramento da área afetada e o fechamento, provisório, da Igreja da Praça João Pessoa.“O valor da restauração é muito alto e nós não temos. Para realizarmos o escoramento do teto, considerado pelos técnicos do Iphaep, Iphan e Suplan como emergenciais, fizemos bingos e rifas e pedimos a ajuda da população”, revela o padre Adauto.

A diretora do Iphaep, restauradora Regina Mota, explica que, apesar de ser tombado pelo Iphaep desde 1979, o imóvel pertence a um particular – à Arquidiocese da Paraíba. “Por isto, segundo as leis do patrimônio estadual, o Estado não poderia investir na sua recuperação. Mas, desde que se detectaram as primeiras fissuras na edificação, os técnicos do Iphan e do Iphaep vêm prestando assessoria à paróquia, emitindo laudos e acompanhando as obras emergenciais”, diz.

O início – Em 1979, Areia foi tombada como “Cidade Histórica” e passou a jurisdição do Iphaep. Desde então, qualquer intervenção nos seus bens móveis e imóveis teria que passar pela autorização do Conpec – Conselho de Proteção dos Bens Históricos e Culturais, órgão deliberativo do Iphaep. A partir de agora, como patrimônio nacional, a cidade está sob a proteção do Iphan.A força conjunta para salvaguardar a história centenária de Nossa Senhora da Conceição reúne a Igreja, os órgãos patrimoniais (nacional e estadual) e a comunidade. Ela começou a ser efetivada na primeira semana de março deste ano, quando o padre Adauto Gomes enviou um ofício ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba, em que relatava as precárias condições da coberta e comunicava a decisão de interditar a Igreja Matriz, por questões de segurança da população de Areia.

No dia 10 aconteceu a primeira vistoria do Iphaep e Suplan, onde foram detectados os problemas causados por agentes de deteriorização, como fungos e umidade, no forro da nave principal e da capela lateral esquerda; e fissuras no presbítero, na capela mor e nas naves laterais.

Num laudo assinado pelos técnicos Raglan Rodrigues Gondim, Aníbal Victor de Lima e Moura Neto, José Galdino e Clóvis Fernandes Spinelli havia recomendações consideradas urgentes. O documento falava da necessidade do “escoramento de todos os forros comprometidos, ressaltando que essa ação deverá ser precedida de orientação por parte de técnicos em recuperação de bens móveis, para que nenhum dano a ser causado a esse acervo e recuperação da coberta compreendendo estrutura, telhamento e calhas”.

A edificação – A Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição é de 1902 e está localizada no Centro Histórico de Areia, na Praça João Pessoa. Ela começou a ser erguida em 1830, pelo padre Francisco de Holanda Chacon, tendo sido concluída apenas no segundo ano do século XX, pelo cônego Odilon Benvindo de Almeida.

Já foram feitas várias reformas em suas instalações – um total de seis, sendo que a última delas ocorreu em 1979, pouco antes de Areia ser tombada pelo Decreto nº 8.312, de 04/12/79, e ser considerada “Cidade Histórica”. A partir daí, sob a proteção do Iphaep, qualquer intervenção em seus bens móveis ou imóveis deveria passar pela autorização do Conpec, o conselho deliberativo do órgão de patrimônio estadual.

No início de 2005, a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição apresentou sérios problemas de infiltrações e fissuras, o que terminou resultando no escoramento do forro e na sua interdição.

Com 103 anos de existência, o imóvel possui um estilo eclético. A edificação apresenta dois corpos, dois volumes claramente estabelecidos, que dão singularidade à Igreja Matriz de Areia.

O coordenador de arquitetura e ecologia do Iphaep, Raglan Gondim, enviou, recentemente, um novo documento ao padre Adauto, onde destaca: “o volume que imprime a imponência, a verticalidade e a referência urbana que é a torre sineira e o sólido que por suas proporções horizontais equilibra a composição, gerando unidade ao conjunto e que é composto pela nave principal com seu coro, as duas galerias laterais, o presbítero, o altar-mor com as duas capelas laterais e, posteriormente, a sacristia: todos possuindo um forte caráter de integração visual”.

Notícias relacionadas