Identificado suspeito de ataque que matou 14 no metrô da Rússia - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

04/04/2017


Rússia identifica suspeito de matar 14

ATENTADO

Foto: autor desconhecido.

A Rússia identificou nesta terça-feira (4) o autor do ataque suicida ao sistema de metrô de São Petersburgo, que deixou 14 mortos. Akbarzhon Jalilov, de 22 anos procedente do Quirguistão, também colocou uma segunda bomba, desativada a tempo, em outra estação.

Mais cedo, o serviço secreto do Quirguistão tinha informado que Jalilov nasceu no país mas era naturalizado russo- informação não confirmada pela Rússia, de acordo com a France Presse. Ele viria da região de Och, uma zona que forneceu um importante contingente de extremistas ao grupo Estado Islâmico (EI). O ataque em São Petersburgo não foi reivindicado.

Em um comunicado, o comitê russo afirmou que conseguiu identificá-lo após a análise de material genético encontrado na bolsa em que estavam os explosivos deixados em uma outra estação, segundo a Reuters. "A evidência genética e as câmeras de vigilância nos dão motivo para acreditar que a pessoa que está por trás do ato terrorista no vagão de trem foi a mesma que deixou uma mala com explosivos na estação Ploshchad Vosstaniya", afirmou.

O ministério de Saúde da Rússia afirmou que 11 pessoas morreram no local do ataque e três morreram em decorrência dos ferimentos.

O ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, disse que seria "cínico e cruel" chamar uma explosão mortal em São Petersburgo de vingança pelas ações da Rússia na Síria, informou a agência de notícias russa RIA. O país, que é o principal aliado de Bashar al-Assad, é acusado de atacar também alvos dos opositores do regime.

Luto

As agências de notícias russas disseram que as estações de metrô de São Petersburgo chegaram a ser fechadas nesta terça depois de uma ameaça de bomba, de acordo com a Associated Press.

A cidade amanheceu de luto. As bandeiras tremulam a meio mastro na segunda maior cidade da Rússia, onde onde foi decretado três dias de luto, mas a normalidade voltou em parte ao reabrir nesta manhã as linhas do metrô, segundo informou em comunicado o escritório do governador.

O presidente russo, Vladimir Putin, que estava em São Petersburgo no momento da explosão, colocou uma coroa de flores no improvisado local de homenagens para vítimas. As autoridades anunciaram o reforço das medidas de segurança no metrô de Moscou e nos aeroportos.

O Comitê Nacional Antiterrorista (CNA) afirmou que 45 pessoas seguem hospitalizadas, sendo que 13 estão em estado grave. Um vídeo mostrou a confusão logo após a explosão.