Haddad corre contra o tempo para ficar conhecido por eleitores de Lula - WSCOM

menu

Política

16/09/2018


Haddad corre contra o tempo para ficar conhecido por eleitores de Lula

Foto: autor desconhecido.

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad (PT), está em um duelo com o tempo. “Nós temos três semanas, Jaques, para ganhar essa eleição”, disse Haddad ao ex-governador baiano Jaques Wagner (PT), candidato ao Senado, durante discurso nesse sábado (15) em Vitória da Conquista (BA).

Haddad talvez não ganhe a eleição nas três semanas mencionadas a Wagner, mas se esforça para que ao menos os órfãos de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) o reconheçam como substituto do ex-presidente nas urnas.

Nesta corrida, Haddad deu poucas horas de intervalo entre um comício no Rio, na noite de sexta (14), e uma viagem em voo privado para Vitória da Conquista, a terceira maior cidade da Bahia, onde saiu pela manhã em carro aberto, entre centenas de militantes.

Por volta das 10h, Haddad subiu na caçamba de uma caminhonete, sob barulho de rojões, ao lado da mulher, Ana Estela; da sua companheira de chapa, Manuela D’Ávila (PCdoB); do governador Rui Costa (PT), favorito à reeleição na Bahia; e de Jaques Wagner.

Em 40 minutos, Haddad sorriu, acenou, apertou as mãos de eleitores, carregou e abraçou ao menos duas crianças, ganhou uma bandeira e um boné do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra) e pareceu pouco à vontade ao arriscar discretos passos de dança ao som de seu jingle e do de Rui Costa.

Na frente da caminhonete, um trio elétrico servia como alto-falante para as músicas das campanhas e para que um locutor exaltasse Haddad como o candidato de Lula. Das janelas dos prédios e das portas das lojas, moradores e trabalhadores observavam o movimento e faziam vídeos seus com celulares.

Na passagem por Vitória da Conquista, talvez a intenção da campanha petista tenha sido fazer Haddad ser mais visto do que ouvido. Se a viagem em carro aberto durou 40 minutos, o discurso de Haddad foi de menos de três minutos, feito de dentro da caçamba da mesma caminhonete que o transportou pela cidade.

Além de pedir votos, o candidato elogiou Lula, dizendo que “a essa altura, eles já devem ter percebido que prenderam o cara errado” — usando o “eles” sem nomes, como o ex-presidente costumava fazer em seus discursos para falar de seus adversários.

O esforço de Haddad tem endereço certo. O PT venceu eleições para prefeito em Vitória da Conquista cinco vezes seguidas — perdeu em 2016 — e deu maioria a Lula em 2002 e 2006. Ao mesmo tempo, militantes que foram ver o candidato na cidade reconheceram que ele ainda não é tão conhecido por ali.

“Haddad aqui, ele é muito pouco conhecido. Depois que veio o negócio da [Lei da] Ficha Limpa, que Lula realmente não pôde se candidatar, é que veio à tona quem é Haddad, as propostas dele, o que ele quer fazer pela população, e estamos confiantes que ele seja o nosso Lula”, disse Noélia Medrado, que trabalhava em uma fábrica de calçados e está desempregada.

O encarregado de obras Ronaldo Bispo, que se declarou petista, relatou que a população local ainda “não conhece muito” Haddad, mas sabe que ele foi ministro da Educação no governo Lula e prefeito de São Paulo.

O mandato como ministro é uma das frentes da campanha petista para vincular Haddad a Lula, e os apoiadores deixaram clara a diferença que faz a indicação do ex-presidente.

“Tenho a esperança e a confiança que ele vai ser bom. Veio através de Lula, então a gente já tem aquela confiança nele, né?”, disse a aposentada Theresa Santos.

Para o também aposentado Germino Ribeiro, o fato de Haddad ser o indicado de Lula “é o suficiente” para o ex-ministro merecer apoio. “Lula podia botar outro qualquer que ganhava a eleição”, afirmou.

Após o ato em carro aberto, perguntado por jornalistas sobre o fato de eleitores ainda errarem o seu nome e o chamarem de “Andrade”, Haddad respondeu apenas que vê isso “com naturalidade”.

Datafolha
O Datafolha de sexta (11) trouxe bons números para Haddad, mas também mostrou o caminho a ser percorrido. Ele passou a ser conhecido por 65% do eleitorado, contra 59% da pesquisa anterior, e seu patamar de intenção de voto subiu de 9% para 13%.

No Nordeste, principal reduto lulista, 43% disseram que não o conhecem, contra 17% para Ciro Gomes (PDT) — com quem empatou numericamente em intenções de voto no Datafolha e disputa o espólio eleitoral de Lula.

Não por acaso, Haddad sabe que, se quer ser visto como o representante de Lula, precisa circular pelo país, mas também não pode se descolar do ex-presidente. Na segunda-feira (17), após a sabatina promovida por UOL, Folha e SBT, ele deve visitar Lula na prisão, em Curitiba.

Com informações do UOL.

Notícias relacionadas