Governo sírio manda reforços para cidade sitiada - WSCOM

menu

Internacional

26/04/2011


Governo sírio manda reforços para cidade

Sitiada

Foto: autor desconhecido.

O Exército sírio enviou nesta terça-feira (26) reforços à cidade de Deraa, no sul, onde continua disparando contra os habitantes, um dia depois de matar 25 pessoas para pôr fim, pela força, aos protestos contra o governo.

Saiba mais sobre a Síria

Abddulah Abazid, um militante de direitos humanos, foi contatado por telefone pela agência France Presse.

– Novos reforços das forças de segurança e do exército entraram em Deraa. Há um tanque na praça Kaziet al Balad, no centro da cidade. Os disparos continuam contra os habitantes. A mesquita de Abu Bakr Asidiq é alvo de intensas rajadas e um franco-atirador está postado na mesquita d Bilal al Habachi. Há tanques e barreiras instalados nas entradas da cidade, o que impede a entrada das pessoas em Deraa.

As forças de segurança intervieram com violência nesta segunda-feira (25) em várias cidades da Síria, provocando pelo menos 25 mortos em Deraa, uma cidade do sul do país onde teve início o movimento de protesto contra o regime há seis semanas.

O regime do presidente Bashar al Assad parece ter optado pela solução militar para esmagar o movimento de contestação sem precedentes no país que dura seis semanas, mobilizando milhares de soldados em Deraa e em outras áreas do país, segundo as mesmas fontes.

Número de vítimas durante repressão na Síria chega a ao menos 107

O Escritório da alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Navi Pillay, informou nesta terça-feira que, segundo os últimos dados, se eleva a ao menos 107 o número de mortos pela violenta repressão exercida pelo governo sírio contra os manifestantes durante o fim de semana.

O porta-voz do Escritório da alta comissária, Rupert Colville, deu as declarações em entrevista.

– Segundo os dados que pudemos obter, o número de vítimas fatais se eleva a pelo menos 107. Temos os nomes destas pessoas que pereceram na repressão, mas não descartamos que o número de pessoas assassinadas possa aumentar.

O porta-voz disse que a dura repressão levada a cabo pelo regime de Assad causou ao menos 76 mortes na sexta-feira e outras 31 entre sábado e domingo.

Ainda não temos os dados da segunda-feira, mas sabemos que houve mais mortes causadas pelas forças armadas.

Por outro lado, o porta-voz explicou que na semana passada Navi Pillay recebeu um convite formal da Síria para visitar o país "sob certas condições".

– Ainda estamos estudando a proposta e, sobretudo, as condições. Temos que levar em conta que o convite ocorreu na semana passada e que durante o fim de semana a repressão foi feroz.

Notícias relacionadas