Governo diz que votação na Bolívia começa 'tingida de violência' - WSCOM

menu

Internacional

04/05/2008


Governo diz que votação na

O dia de votação sobre o estatuto autônomo na região boliviana opositora de Santa Cruz começou “tingida de violência” e provocou pelo menos três feridos, afirmou neste domingo (4) Ivan Canelas, porta-voz do governo do presidente da Bolívia, Evo Morales.

“Temos um panorama preocupante a esta hora da manhã. Infelizmente, este processo de enquete em Santa Cruz já começou tingido de violência”, disse Canelas, ao citar informações sobre problemas em localidades com presença majoritária de simpatizantes de Morales que se opõem à consulta.

Segundo o funcionário, “aparentemente”, há grupos autonomistas que estão “tentando forçar” as pessoas a votar nesses lugares, mas a imprensa também informou sobre incidentes provocados por simpatizantes do governo, que queimaram e destruíram urnas.

Os problemas ocorreram nas localidades rurais de San Julián e Yapacani, e em no bairro Plan 3000 da cidade de Santa Cruz, onde há uma forte presença de setores afins ao líder, que queimaram urnas.

Na localidade de San Julián, o médico Ciro González informou à agência de notícias Efe que uma pessoa, simpatizante de Morales, ficou gravemente ferida ao cair de um ônibus.

O veículo, segundo as versões no local, levava um grupo de simpatizantes do líder que pouco antes tinham destruído urnas de um recinto de votação para evitar a consulta.

O porta-voz presidencial disse também que há outro ferido em Plan 3000 e enfrentamentos em vários lugares de Santa Cruz.

“Em nenhum processo de votação houve tanta rejeição e tanta violência como agora em Santa Cruz”, disse Canelas.

Após os incidentes, a Corte Departamental Eleitoral de Santa Cruz disse que se reporá o material de votação destruído, e tentará abrir novamente as zonas eleitorais destruídas.

Outro lado – governador de Santa Cruz, Rubén Costas disse que era previsível “que houvesse atos de intolerância”, mas os qualificou “de isolados”, e não afetariam a votação em um dia que, segundo sua opinião, “aprofunda a democracia” na Bolívia.

Costas atribuiu os incidentes e enfrentamentos às ações dos simpatizantes de Morales e pediu que a população de Santa Cruz não se deixe “amedrontar” e “desdramatize” o ocorrido, porque são irregularidades “que não são o denominador comum” da votação.

O referendo sobre o estatuto autônomo de Santa Cruz é “ilegal” para o governo de Morales, que o considera uma simples pesquisa e fez chamadas para que as pessoas não participem da consulta.

Notícias relacionadas