Governo afirma que acata protesto, mas acha vigilia com motivação política e vai - WSCOM

menu

Paraíba

29/03/2006


Governo afirma que acata protesto,

EXCLUSIVO – O Secretario de Segurança Pública do Estado, Harrison Targino, revelou ao WSCOM Online, depois de conversar por telefone com o governador Cássio Cunha Lima, que o Governo considera legitimo o protesto dos policiais, mas entende que há motivação politica de candidatos no movimento. Ele confirmou audiência amanhã com lideres das entidades, mas vai punir os excessos com abertura de IPMs.

Harrison considerou radicalidade absurda o ato de pessoas ligadas ao movimento policial de tentar impedir a saida dos veiculos nesta quarta-feira no Posto de Abastecimento para a rotina militar de proteção à sociedade.

– O movimento reivindicatório é legitimo, tanto quanto os protestos, mas a radicalidade não, portanto, estamos sendo cientificados pelo comando da PM da abertura de Inquérito Policiais Militares para punir os excessos – afirmou.

Negociação – O secretário assegurou ao Portal que o governador Cássio vai receber lideres do movimento nesta quinta-feira, depois que uma comissão de deputados, ontem, liderados pelo lider Gilvan Freire buscou abrir os entendimentos.

– Sempre estivemos, como estamos abertos ao diálogo, mas nunca fomos procurados pelo movimento depois de deflagrada a vigilia, entretanto, devemos antecipar que o Governo Cássio tem atendido a muitas reivindicaçoes ao longo dos três anos tanto que, com o reajuste de 5% mais o alinhamento ao Salário Minimo, a menor referência salarial de um soldado será de R$ 970,00 – mais do que muitos estados no pais, observou.

Sobre a reivindicação básica de escalonamento, ele explicou que “o interesse do Governo se mantém, contudo, já no Governo anterior havia existido recurso contrário à aplicação desse dispositivo, que aliás nenhum estado pratica em face de principio constitucional”.Avaliação do movimento – Tanto Harrison quanto o comandante da PM, Coronel Lima Irmão, fazem avaliação de que inexiste a adesão da categoria, uma vez que na opinião deles o serviço se mantém normalizado com pronta ação policial nas ruas.

– Não tem ocorrido diminuição do efetivo policial, até porque o movimento é de vigilia, não há greve decretada, e estamos com a tropa em atividade normal – afirmou o secretário.

Na avaliação, dos dirigentes das policias, o movimento é comandado por alguns policiais, entre eles candidatos em 2006, com a participação de pessoal da reserva. “Mesmo assim, estamos sempre abertos ao dialogo para buscar solução”, afirmou.

Notícias relacionadas