Gleisi Hoffmann afirma que o PT vai registrar candidatura de Lula em agosto - WSCOM

menu

Política

26/04/2018


Gleisi Hoffmann afirma que o PT vai registrar candidatura de Lula em agosto

A parlamentar também criticou a decisão da juíza Carolina Lebbos, que proibiu o médico do ex-presidente de visitá-lo

Foto: autor desconhecido.

A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), reforçou que o partido vai registrar candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mesmo ele estando preso em Curitiba (PR). Lula vai ser o candidato do PT. Vamos registrá-lo em agosto. Não está com direitos políticos suspensos. O PT não tem plano B”, disse ela, que solidariedade ao correligionário.

“Lula é grande demais para ficar encarcerado. Único lugar correto de Lula é nas ruas, é solto. Ele foi preso em processo com decisão de instancia sem fundamentação. Qual risco ele oferece à sociedade?”, questionou a congressista rádio Jornal AM, de Sergipe. “Ele é muito forte, está bem. Sabe que tem que resistir em nome da população brasileira”, acrescentou.

A parlamentar também criticou a decisão da juíza Carolina Lebbos, que proibiu o médico do ex-presidente de visitá-lo. “Extrapolou suas funções”, afirmou Gleisi, acrescentou que a Lei de Execução Penal prevê visitas a presos. “Vamos entrar com representação. Espero que o CNJ tome as devidas providências. Lula não pode ser tratado ser tratado desta forma, não merece e não é legal”, complementou.

A congressista reforçou que o ex-presidente “é um homem de 72 anos, teve câncer severo, precisa de acompanhamento médico, fazer exercício”. “Que tempos estamos.? Se fosse bandido, não teríamos vigília permanente na PF. Nenhum criminoso recebe tanta solidariedade”.

Ao comentar a entrevista dada à TV árabe Al Jazeera, do Qatar, a senadora reforçou que disse apenas como estava a situação do ex-presidente Lula. “O que estão reclamando foi o veículo que eu dei a entrevista. “É preconceito com o povo árabe. Temos no Brasil 12 milhões de árabes, que estão junto com a gente, ajuda na nossa economia”, afirmou. “Este tipo de comportamento que incita ódio, violência. Não podemos deixar prosperar este tipo de ódio”, complementou.

Brasil 247

Notícias relacionadas