Ford vai produzir novo carro popular em São Bernardo - WSCOM

menu

Economia & Negócios

23/10/2005


Ford vai produzir novo carro

Após dois anos de negociações, a Ford conseguiu a liberação da matriz americana para produzir um novo carro popular na fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC paulista. O anúncio foi feito ontem, em São Paulo, pelo diretor de Assuntos Corporativos da Ford Brasil, Rogelio Golfarb. Segundo ele, o modelo será lançado em 2008 para atender o mercado interno e externo. “Será um veículo totalmente novo, desenvolvido por designer e engenheiros locais”, afirmou o presidente da Ford Brasil, Antonio Maciel Neto, em comunicado lido por Golfarb.

O executivo não quis dar detalhes de como será o novo modelo por causa da concorrência. “É um jogo de xadrez. Não podemos abrir os detalhes de um lançamento que ocorrerá só daqui a três anos.” Ele apenas informou que será um modelo complementar à linha já existente da Ford na região. Mas, no mercado, há informações de que será um carro com motor 1.0 flexível (roda com gasolina ou álcool) e que pode substituir o Ka. Golfarb, porém, nega: “O Ka tem um grupo de fiéis seguidores. Não vamos mexer.”

Volumes de produção e características do produto também não foram revelados, mas será um carro com design diferente dos modelos da marca hoje em linha. Inicialmente, falava-se em um Ka de maior porte, mas essa proposta foi abandonada. O preço ficaria na casa de R$ 20 mil a R$ 24 mil.

A exemplo do EcoSport, totalmente criado no Brasil, o novo popular também será um produto nacional e está sendo projetado no centro de desenvolvimento do grupo na Bahia, onde está a mais moderna fábrica da companhia.

Parte do investimento para o projeto virá do crédito de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) obtido nas exportações. O governo de São Paulo vai devolver à Ford R$ 347,9 milhões, mas parte deve ser usada também na fábrica de motores de Taubaté. “O governador montou um programa de incentivo a investimentos e se comprometeu a cumprir o acordo de restituição do ICMS”, afirmou Golfarb.

O aval da matriz ao projeto foi dado na quinta-feira, nos Estados Unidos, em reunião entre dirigentes da companhia e Maciel Neto. Com esse produto, a Ford espera ampliar sua participação no mercado, hoje em 12,5%. As exportações, como nos demais carros da montadora, estarão focadas no mercado latino americano.

Depois de ver suas vendas despencarem após a separação da Autolatina, há dez anos, a Ford esteve próxima de fechar a fábrica do ABC, segundo informações do mercado na época. Hoje, após a virada obtida com a fábrica de Camaçari (BA), inaugurada em 2001, a marca vem recuperando mercado e, na semana passada, anunciou lucro de US$ 261 milhões até setembro na América do Sul, região em que o Brasil responde por mais de 60% das vendas. A matriz, ao contrário, teve prejuízos no último trimestre.

O anúncio representa um grande alívio para os trabalhadores, que temiam o encerramento, futuramente, das operações de automóveis no ABC. Os produtos fabricados hoje na unidade – Ka, Fiesta antigo e Courier – não têm venda significativa no mercado brasileiro. “O novo projeto nos dá garantia de empregos para os atuais funcionários e até geração de novas vagas”, diz o dirigente sindical da Ford, Rafael Marques. A fábrica de São Bernardo tem 4 mil funcionários, incluindo os da unidade de caminhões e picapes, transferida do bairro do Ipiranga, em São Paulo, para o ABC há alguns anos.

Para obter aval da matriz para fabricar o novo carro no Brasil, a montadora precisou negociar a redução de custos com fornecedores de peças e com os próprios trabalhadores. O processo de negociação começou em 2001. Agora, começa a fase de desenvolvimento de ferramental, equipamento e readequação da fábrica.

Volkswagen – Além do novo Ford, o mercado de populares também terá novidades de outras marcas. A Volkswagen está em adiantado projeto de desenvolvimento de um modelo pequeno, que será fabricado em Taubaté, por enquanto chamado de Projeto NF. O modelo, previsto para 2007, está sendo desenvolvido em conjunto com a matriz alemã e terá parte da produção destinada a mercados emergentes. A Renault também já confirmou a produção do popular Logan em São José dos Pinhais (PR), com investimentos de 150 milhões. A General Motors tem planos de produzir um novo carro pequeno, mais barato que o Celta, mas o projeto ainda não saiu do papel.

Notícias relacionadas