'Foi um ato estúpido', diz Ronaldo ao 'Fantástico' - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

05/05/2008


'Foi um ato estúpido', diz



Ronaldo concede entrevista ao Fantástico

O Fantástico foi encontrar Ronaldo na casa dele em Angra dos Reis, no litoral do Rio. Dono de uma fortuna avaliada em US$ 250 milhões, ganhador de duas Copas, eleito três vezes o melhor jogador do mundo, ele já se envolveu em muitos romances.

Ronaldo namorou várias modelos. Casou-se duas vezes: com a jogadora Milene Domingues, mãe de seu filho Ronald, hoje com 8 anos, e com Daniela Cicarelli.

Aos 31 anos de idade e 17 de carreira, embaixador do Unicef e um dos rostos mais conhecidos do planeta, ele é um modelo de superação, que já deu a volta por cima em muitos problemas físicos. Personagem central de um escândalo que repercutiu em todo o mundo, Ronaldo viveu esta semana um dos momentos mais delicados de sua carreira.

Fantástico: Você pode contar o que aconteceu aquela noite?

Ronaldo: Eu fiz uma grande besteira na minha vida pessoal. Todos nós estamos sujeitos a errar. Eu cometi um grande erro de buscar esse programa. E, chegando ao local, eu comprovei que se tratava de travesti e tentei concluir ali, de modo que eu pudesse voltar para casa, já arrependido de ter feito aquela escolha, e não consegui. Daí que começou toda a situação.

Quando você abordou a pessoa, na Barra da Tijuca, você sabia que se tratava de um travesti?

Não, eu me sinto muito envergonhado de falar desse assunto porque foi uma questão muito pessoal, minha vida normalmente eu costumo não abrir para a imprensa, mas foi um ato isolado, completamente estúpido da minha parte. Estou completamente arrependido, mas infelizmente aconteceu daquela maneira.

Eu pergunto isso porque a travesti Andréa deu uma entrevista contando que no início você não sabia que se tratava de um travesti, mas depois quando foram chamados os outros dois você sim, já sabia que eram travestis. É verdade ou é mentira?

Em nenhum momento eu soube que era travesti. Eu sou completamente heterossexual e acho que isso não tem dúvida. Mas isso pouco me importa, o que ela fala ou deixa de falar. O importante é que o meu erro criou um problema muito grande, uma repercussão mundial e que, graças a Deus, os fatos e tudo que eu falei no meu depoimento para o delegado Carlos estão sendo investigados e comprovados. Isso, de alguma maneira, mínima, me conforta.

Você teve relação com os travestis?

Não, não tive relação. Na hora que eu percebi que não era o que eu buscava, eu tirei o meu time de campo.

Você usou drogas naquela noite?

Não, eu nunca consumi drogas, eu continuo sendo um atleta, apesar de estar afastado pela minha lesão. E não teve tempo também. A partir do momento que eu comprovei que eram travestis eu quis sair e daí não foi possível.

Por quê?

Porque eu quis terminar o programa, pagando o que tinha combinado. Duas aceitaram e depois a terceira não quis aceitar e começou a me extorquir. O dinheiro, na verdade, era uma quantia absurda para que não saísse nada na imprensa. Eu assumi, a partir daquele momento, que foi um erro gravíssimo da minha parte ter buscado esse problema, até porque eu tenho namorada, quer dizer, tinha. E quando eu contei toda a história pra ela a primeira reação dela foi me xingar. Mas depois, ela só me deu apoio, obviamente, para ela é muito difícil perdoar. Não sabemos o que vai acontecer daqui pra frente, mas isso é pra dizer que até ela, que deveria se sentir ofendida, também me apoiou e segurou a barra junto comigo.

Você estava sóbrio naquele dia? Não tinha bebido?

Eu estava sóbrio, tinha bebido um pouquinho depois do jogo do Flamengo, mas nada que me tirasse a capacidade de raciocinar.

Você se sentiu vítima de uma armação, vítima de extorsão?

Ao que tudo indica e o que estão aparecendo de depoimentos é que realmente é uma quadrilha que costuma fazer isso com pessoas famosas e anônimos, casados, e que aterrorizam essas pessoas. Mas eu não posso esperar que tenha um comportamento correto, acho que o erro maior foi o meu, de ter procurado isso pra mim, mas depois eu preferi encarar de frente do que sofrer uma extorsão por parte dos travestis.

E você pretende entrar no justiça, processar algum dos travestis?

Não, eu me processaria, a minha consciência está ainda pesada com esse ato estúpido que eu tive. Um fim de noite, chegando em casa, tá certo que eu tinha brigado com a minha namorada, mas uma briga boba. Foi um ato realmente impensável do qual eu estou mais do que arrependido. Estou envergonhado, mas isso também me aproxima das pessoas, porque eu sofri isso a minha vida inteira como jogador e como jogador bem sucedido que eu sou, de ser realmente colocado em uma outra esfera. Eu sou um ser humano, uma pessoa. Por trás do personagem que eu carrego, eu tenho minhas fraquezas, tenho meus medos, tenho tudo o que uma pessoa normal tem. Então, de alguma forma o Ronaldo Fenômeno, desculpa eu falar em terceira pessoa, mas eu me aproveito dessa situação para me aproximar mais das pessoas e dizer que sou um ser humano e que eu erro. Enfim, tenho minhas fraquezas e esse momento foi um momento trágico que eu tive, a pior decisão pessoal da minha vida. Teve uma dimensão muito grande e que, com certeza, vai manchar minha vida pessoal para sempre. Mas, nada tem a ver com a minha história, minha vida profissional como jogador.

Você acha que esse caso interferiu ou até mesmo prejudicou o seu trabalho de embaixador junto à Unicef?

Não interfere. Acho que a minha posição de embaixador nada vai atrapalhar, inclusive com as empresas que eu tenho contrato de publicidade também isso foi entendido como realmente um fato isolado e que isso não tem como acontecer outra vez.

Como você acha que os reagiram a tudo isso? Você teve contato com alguns?

Ah, eu sofri, as pessoas sacaneando. “Cuidado com o traveco” e tudo mais. Ah, eu corro.

Mas você está preparado psicologicamente? Sempre surgem brincadeiras, você está preparado para isso?

Daqui um pouco, até eu vou rir dessa história, vou fazer piada disso. Quem me conhece sabe como eu sou, das minhas esposas, enfim, sabe que eu nunca tive esse costume, mas daqui a pouco até eu vou rir dessa história também.

A que você acha que se deve esse escândalo todo? Se fossem prostitutas, por exemplo, não teria sido assim?

Na minha consciência estaria pesando do mesmo jeito, mesmo que não tivesse a extorsão, mesmo que não saísse a público toda essa história. O que mais está me condenando é a minha consciência de ter feito uma coisa tão ruim pra mim mesmo.

Então o negócio é com você, conversar consigo mesmo.

Eu sempre sofri com pré-julgamento das pessoas. Sejam possíveis namoradas, meninas que disseram algumas vezes estarem grávidas e os filhos nunca nasceram. Então esse sensacionalismo todo fez parte da minha vida. Essa dimensão toda faz parte da minha vida. Não fui eu quem busquei, mas acho que é fruto do que eu fiz dentro de campo.

Você acha que o que aconteceu essa semana interfere na sua imagem?

Acho que mancha, é inevitável, mancha.

A curto ou longo prazo?

Acho que mancha para sempre. Mas o que a gente tem que fazer é reconstruir. É como se eu tivesse uma casa que construí e que passou um furacão e derrubou. Agora eu tenho que reconstruir essa casa.

Você ficou triste com essa história toda, chegou a chorar?

Chorei muito, uma vergonha incrível, uma decepção com esse ato isolado. Me emocionei também no depoimento para o delegado, fui até a delegacia e dei o depoimento até dentro do carro porque eu tinha medo de expor mais isso tudo. Para a mídia sensacionalista acho que tem uma dimensão maior até do que ganhar a Copa do Mundo, infelizmente.

Mas isso até você fazer um gol lá e já reverte a situação

Até eu ficar bom e voltar a jogar isso tudo cai no esquecimento.

Então vamos falar de futuro. Quais são os seus próximos passos? Pensa em voltar para a Europa, vai ficar no Brasil?

Meu contrato com o Milan acaba agora em junho. Depois estarei livre para negociar com clubes. Mas não quero negociar com clubes sem saber a minha real condição física. Então até o final da minha recuperação eu vou ficar focado só na fisioterapia e depois, quando eu estiver bom, seguro de voltar a jogar, aí eu vou escolher o meu caminho que na minha cabeça já está meio que traçado.

E qual é o caminho? Tem que contar pra gente.

É o meu grande sonho. Mas tenho que conversar, isso mas lá na frente, eu não tenho pressa. Eu tenho certeza que as portas do Flamengo devem estar abertas pra mim também quando eu estiver bom.

Notícias relacionadas