Filme mostra irmãos turcos que só andam de quatro - WSCOM

menu

Internacional

18/03/2006


Filme mostra irmãos turcos que

A BBC vai mostrar na TV britânica nesta sexta-feira um documentário sobre cinco irmãos em um pequeno vilarejo na Turquia que costumam andar de quatro e que poderiam oferecer à ciência dicas sobre a evolução humana, de acordo com a opinião de cientistas. A família é bastante pobre e teve pouco acompanhamento médico. Os pais, parentes próximos, tiveram 19 filhos.

A BBC vai mostrar na TV britânica nesta sexta-feira um documentário sobre cinco irmãos em um pequeno vilarejo na Turquia que costumam andar de quatro e que poderiam oferecer à ciência dicas sobre a evolução humana, de acordo com a opinião de cientistas. A família é bastante pobre e teve pouco acompanhamento médico. Os pais, parentes próximos, tiveram 19 filhos.

A maioria não apresentou anomalias, mas seis nasceram com o que parece ser pequenos danos cerebrais. Quatro deles, entre 18 e 34 anos de idade, andam como quadrúpedes.

Gorilas

Eles são considerados párias pelos outros habitantes da vila. Três das moças e o irmão sempre se locomoveram de quatro, mas uma irmã alterna a locomoção quadrúpede com um ocasional andar ereto. Os calos provariam que eles só andam assim.

Um outro irmão anda sobre dois pés o tempo todo, mas com dificuldades. As quatro irmãs e o irmão poderiam ajudar a mostrar como nossos ancestrais passaram a andar sobre dois pés aos invés de quatro patas, acredita o pesquisador britânico Nicholas Humphrey.

O britânico acredita que o processo que levou os homens a andarem eretos foi complexo e envolveu modificações no esqueleto e na própria genética da espécie.

O método de locomoção usado por eles difere do de outras espécies próximas, como os chipanzés e gorilas, que apóiam o peso de seus corpos nas juntas de seus dedos.

Genes

Os irmãos turcos se apóiam nos punhos, levantando os dedos. Isso impede que eles danifiquem seus dedos. “As garotas podem tricotar, por exemplo”, diz ele.

Humphrey diz acreditar que essa pode ter sido a forma que ancestrais humanos encontraram para manter seus dedos ágeis, podendo então manejar ferramentas e precipitando todo um processo de evolução do corpo e da mente.

Ele acredita que a anormalidade registrada no cérebro deles seria a responsável pelo fenômeno. Humphrey rejeita, entretanto, a idéia de que exista um gene que determine se uma espécie é bípede ou quadrúpede. Essa idéia é defendida por um grupo de pesquisadores alemães.

A equipe liderada por Stefan Mundlos do Instituto Max Planck de Berlim isolou o gene no cromossomo 17 e acredita que uma anormalidade nele levaria os irmãos a se locomover desta forma.

Notícias relacionadas