Fatura liquidada: alternativos dizem que têm apoio do governador e que ele já se - WSCOM

menu

Paraíba

22/03/2006


Fatura liquidada: alternativos dizem que

O presidente do Sindicato dos Alternativos da Paraíba, Francisco Chagas, informou ao WSCOM Online, que a categoria conta com o total apoio do governador do Estado, Cássio Cunha Lima, e já recebeu dele a garantia de que vai sancionar o projeto assim que o mandado de segurança contra a legalização da atividade for derrubado. O projeto está arquivado desde o mês de outubro.

“O governador não vai tirar os alternativos das ruas, ele garantiu que antes de sair do governo legalizaria, também já pediu a lista dos 1300 cadastrados no Sindicato e nós acreditamos nele”, revela Chagas.

O projeto por enquanto está arquivado devido a um mandado de segurança impetrado pelo deputado Walter Brito e que ainda está na Procuradoria de Justiça devido ao pedido de vistas do desembargador Carlos Sarmento.

“Todo mundo sabe que o deputado está defendendo interesses próprios. Ele é dono da Real e por isso quer deixar 8 mil famílias sem uma fonte de renda. Nós temos o direito constitucional de tentar garantir nosso sustento”, acusa.

Chagas acredita que o mandado de segurança vai ser julgado improcedente dentro dos próximos dias e garante que enquanto a questão não se resolve, os alternativos cadastrados podem continuar circulando normalmente.

Calendário – Na próxima segunda-feira, 27, às 15h, os alternativos vão realizar uma manifestação em frente a Assembléia Legislativa, antes de uma Sessão Especial marcada para debater o tema. Já no dia 27 na sede do Departamento de Estradas e Rodagens da Paraíba (DER/PB), os motoristas se reúnem com o curador do consumidor Francisco Sagres para debater a proposta apresentada pelo Departamento.

Mas Chagas adianta que só vai a reunião para demonstrar a ‘boa vontade’ da categoria em negociar, mas que a proposta em pauta, que autorizaria os alternativos apenas onde não há transporte regular, não tem a menor possibilidade de ser aceita. “A proposta não satisfaz a categoria”, finaliza.

Notícias relacionadas