Família de Dinho acha versos inéditos e faz música para a Copa - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

08/06/2018


Família de Dinho acha versos inéditos e faz música para a Copa

As folhas amareladas foram encontradas no sítio da família em Itaquaquecetuba, no fim do ano passado. O cantor Ruy Brissac, que já interpretou Dinho em musical, criou novos versos para completar música e gravou canção “Vai ae”

Foto: autor desconhecido.

Uma folha já amarelada, com anotações feitas por Dinho – vocalista dos Mamonas Assassinas – foi encontrada recentemente no sítio da família do cantor, em Itaquaquecetuba, na Grande São Paulo. O achado trouxe de volta a vibração do grupo que encantou o Brasil na década de 90 e morreu em um acidente de avião há 22 anos.

As frases, que exaltavam a torcida brasileira e o futebol, viraram a música “Vai ae” na voz de Ruy Brissac, que interpretou Dinho em um musical. O cantor também fez novos versos para completar a música (ouça abaixo).

O tesouro musical foi encontrado pelo pai de Dinho, Hidelbrando Alves, e o primo do cantor, Jorge Santana no sítio que ainda pertence à família. É nesta área, de aproximadamente 5 mil metros, que estão guardadas peças do arquivo da banda, como fantasias dos shows, vestidos, perucas e pantufas, além de pôsteres, disco de ouro, platina, dupla platina, quadros e fotos.

A música foi lançada oficialmente na última sexta-feira (1º) e já teve quase 100 mil acessos no Youtube. A canção é cheia de versos que impulsionam, além do time, o povo brasileiro para frente, como “mas o que você não sabe, quantos carrinhos levou a minha vida de batalhas fez acreditar, no sonho de um menino, o craque iria se tornar.”

Pai de Dinho guarda uma camiseta autografada pelo filho Dinho (Foto: Douglas Pires/G1)Pai de Dinho guarda uma camiseta autografada pelo filho Dinho (Foto: Douglas Pires/G1)

Pai de Dinho guarda uma camiseta autografada pelo filho Dinho (Foto: Douglas Pires/G1)

Para o pai de Dinho, achar a letra foi uma “surpresa agradável”. “Foi bem casual isso: estávamos procurando outras coisas e encontramos a letra. Foi uma coisa boa para dar segmento e isso mexe com a emoção. Toda vez que toca uma música deles, já toca, e essa então, significa muito. O Dinho adorava futebol. Corinthiano, sabe como é… e quando a seleção entrava em campo era a mesma coisa”, relembra.

Jorge contou que as anotações estavam em uma caixa junto com arquivos do ano de 1995. Ele acredita que o material se transformaria em uma música para a Copa de 1998. “Não posso te falar com certeza se daria música ou não, mas demos vida a ela. É uma música muito positiva, que te impulsiona para frente.”

O cantor Ruy Brissac, que gravou a música, interpretou o vocalista Dinho em um musical que conta a história do grupo Mamonas Assassinas (Foto: Rodrigo Rosa/Divulgação)O cantor Ruy Brissac, que gravou a música, interpretou o vocalista Dinho em um musical que conta a história do grupo Mamonas Assassinas (Foto: Rodrigo Rosa/Divulgação)

O cantor Ruy Brissac, que gravou a música, interpretou o vocalista Dinho em um musical que conta a história do grupo Mamonas Assassinas (Foto: Rodrigo Rosa/Divulgação)

A letra foi encontrada no final de 2017 e, então, o cantor Ruy Brisac, na companhia de Tor Sákata, finalizou a música. Os arranjos foram feitos por Luciano Nogara, também conhecido como Gringo.

Para o cantor, que já interpretou Dinho tantas vezes nos palcos, fazer essa “parceria” com o líder do grupo e finalizar os versos dele foi uma responsabilidade ainda maior. “A letra pesa mais, com certeza. No musical tem o peso de estar ao vivo, de fazer com que as pessoas enxerguem o Dinho, pelos trejeitos e as imitações, mas isso a gente consegue com técnica. Mas, quanto à música, eu não sei o que ele pensava e o que ele queria quando escreveu aqueles versos. É muito emocionante e foi uma honra também.”

A voz do líder da banda também está presente na canção inédita. Na abertura da música é possível relembrar o discurso feito por Dinho no ginásio de esportes Paschoal Thomeu, em Guarulhos: “vocês são capazes, acreditem em vocês”.

Na época, o discurso se tornou emblemático, já que antes da fama o grupo tentou se apresentar naquele palco, mas não teve espaço. No auge do sucesso, em janeiro de 1996, os Mamonas fizeram um show no local para 9,6 mil pessoas e, meses depois, os corpos dos integrantes da banda seriam velados no palco onde eles se consagraram para os fãs da cidade onde cresceram.

Fernando Hinoto, que é sobrinho de Bento Hinoto, o guitarrista da banda, ficou feliz com a homenagem. “Eu sou favorável a todo tipo de homenagem que resgate e mantenha viva a imagem dos meninos de Guarulhos, que hoje já se tornaram os meninos do Brasil.”

Para a família, o encontro dos versos e a nova canção trouxeram felicidade para amenizar a dor da saudade. “A gente não imaginava que fosse dar essa repercussão toda e ser bem aceita. Embora seja uma letra do Dinho, esses versos carregam a energia dos Mamonas. Nós ficamos muito felizes que, mesmo depois de tanto tempo, as pessoas tenham tanto carinho com os mamonas”, finaliza Jorge.

Cantor Ruy concluiu a letra e gravou (Foto:  Felix Graça/Divulgação)Cantor Ruy concluiu a letra e gravou (Foto:  Felix Graça/Divulgação)

Cantor Ruy concluiu a letra e gravou (Foto: Felix Graça/Divulgação)

Confira a letra da Música “ Vai Aê “

Compositores: Dinho, Ruy Brissac e Tor Sakata

Arranjo: Luciano Nogara (Gringo)

Sou artilheiro

Passe certo

E a torcida Olê

Sou brasileiro

Guerreiro

Vai a loucura multidão

Pulsar, vibrar nossa bandeira

Tá no sangue, tá fervendo

Tá na ginga , tá na raça

Estremeceu o campo inteiro

Vai aê

Chute pro Gol pra vencer

Vai aê

A taça eu vou erguer

Vai aê

Chute pro Gol pra vencer

Tá na ginga

Tá na raça

Estremeceu o mundo inteiro

Foi a ira do gingante que despertou

Mas o que você não sabe quantos carrinhos levou

A minha vida de batalhas fez acreditar

No sonho de um menino

O craque iria se tornar

Camisa 10, na seleção

Desvia no ataque, cada vitória é uma história

Tapetão, penalidade, na cobrança chutou é GOL….

Tá na ginga

Tá na raça

Estremeceu o campo inteiro

Notícias relacionadas