'Fake news' de ataque a candidato se espalham nas redes - WSCOM

menu

Política

08/09/2018


‘Fake news’ de ataque a candidato se espalham nas redes

Foto: autor desconhecido.

Pouco mais de 24 horas depois do atentado contra o deputado federal Jair Bolsonaro, candidato do PSL à Presidência, notícias falsas sobre o episódio tiveram grande repercussão nas redes sociais. Proliferaram simultaneamente as narrativas de que o atentado teria sido forjado ou, em outro extremo, teria sido arquitetado pelo PT. Em ambos os casos, não há elementos que sustentem as afirmações.

Uma das páginas que difundiram fake news sobre o ataque foi a Plantão Brasil, com mais de 1,1 milhão de seguidores no Facebook. Vinculada a um site de mesmo nome, a página fez seis postagens em menos de 24 horas afirmando que Bolsonaro não havia sido esfaqueado e classificando o incidente como “fake”. Outros posts também responsabilizavam os discursos feitos pelo candidato do PSL pelo incidente. A Plantão Brasil frequentemente é citada em estudos sobre redes de notícias falsas no Facebook. Um deles é de autoria dos pesquisadores da USP Pablo Ortellado e Marcio Moretto Ribeiro, que publicaram uma matéria a respeito na revista “Época” no fim de agosto. Nele, a Plantão Brasil aparece como integrante de um núcleo que conta com outras cinco páginas. Juntas, elas alcançavam 1,3 milhão de usuários. Segundo Ortellado, o ataque a Bolsonaro desencadeou uma guerra de narrativas nas redes sociais, com grande proliferação de fake news.

O discurso, embora falso, teve ampla aceitação entre os usuários nas redes sociais. Um levantamento feito Diretoria de Análise de Políticas Públicas (DAPP) da Fundação Getúlio Vargas mostrou que, até as 9h de ontem, foram registradas mais de 1,7 milhões de menções no Twitter sobre o assunto, das quais cerca de 690 mil (40,5%) colocavam em dúvida a veracidade do atentado. Nos tuítes, os usuários se referiam a ele como “fake facada”. A Plantão Brasil não divulga quem são seus administradores. O GLOBO enviou uma mensagem pelo Facebook, mas não obteve resposta.

Segundo o levantamento da DAPP-FGV, uma das postagens sobre o episódio com maior repercussão no Twitter foi feita pelo pastor Silas Malafaia, apoiador da candidatura de Bolsonaro. Na mensagem, ele afirma que Adélio Bispo de Oliveira, autor do ataque, é “militante do PT e assessora a campanha de Dilma (Rousseff) ao Senado”. Porém o suspeito não é integrante de nenhum partido político no momento. Até 2014 foi filiado ao PSOL, mas não há nenhuma evidência de que atue em prol da campanha da ex-presidente Dilma Rousseff. Questionado pelo GLOBO sobre a postagem, Malafaia afirmou que, ao usar a palavra assessor, quis dizer que Adélio fazia campanha para a petista.

— Não estou falando que ele era empregado de Dilma, nem funcionário de Dilma — afirmou. — Cada um entenda o que quiser. Com todo respeito, não vou ficar dando justificativa para ninguém.

No entanto também não há evidências, até o momento, de que o agressor fizesse campanha para a petista.

Outro episódio foi gestado entre apoiadores de primeira hora de Bolsonaro. O deputado federal Delegado Francischini, líder do PSL na Câmara, postou duas vezes um vídeo gravado por seu filho, o deputado estadual Felipe Francischini (PSL-PR), com informações falsas sobre o tema. No discurso, ele atribui o ataque a Bolsonaro e os acidentes aéreos que mataram o ex-ministro do STF Teori Zavascki e o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos ao PT. Somados, os dois vídeos têm mais de 116 mil visualizações.

— Em 2014 foi o Eduardo Campos. Há alguns anos atrás foi o Teori Zavascki, no STF, que estava na relatoria da Lava-Jato. Agora foi Jair Bolsonaro. A máscara da esquerda brasileira caiu. Estamos vendo a verdadeira face do PT, do Lula e de todos os seus asseclas — afirmou.

Procurado, Francischini não retornou às ligações.

O Globo

Notícias relacionadas