James Laurence anuncia Recuperação Judicial depois de não celebrar acordo com Associação Brisas de Coqueirinho - WSCOM

menu

Paraíba

17/03/2018


James Laurence anuncia Recuperação Judicial depois de não celebrar acordo com Associação Brisas de Coqueirinho

Nota Oficial da James Laurence

Foto: autor desconhecido.

Novidade no mercado imobiliário da Paraíba. A empresa James Laurence Incorporações imobiliárias anunciou ontem que vai ingressar nos próximos dias com pedido de Recuperação Judicial depois de não se consolidar acordo com a Associação Brisa de Coqueirinho. “Após o deferimento judicial do processamento do pedido de recuperação judicial a Companhia terá plenas condições de, em um curto período, apresentar o seu plano de recuperação”.

Eis a Nota Oficial da James Laurence, na integra:

“João Pessoa (PB), 16 de março de 2018. JAMES LAURENCE DEVELOPMENTS CONSTRUÇÕES, INCORPORAÇÕES E IMOBILIÁRIA LTDA. – ME (a “Companhia” ou “JAMES LAURENCE”) vem a público esclarecer que nos próximos dias ingressará com um pedido de Recuperação Judicial baseado na Lei 11.101/2005.

O setor imobiliário civil sofreu a maior crise de sua história, decorrente de uma recessão que já dura quatro anos. Tal fato, aliado à fraude de que a Companhia foi vítima, bem como à impossibilidade de acordo com a Associação Brisas de Coqueirinho, a Companhia viu-se temporariamente sem condições de arcar com o pagamento de suas obrigações financeiras de curto prazo, não lhe restando outra saída, a não ser fazer o pedido de recuperação judicial, garantido pela Lei 11.101/2005 a empresas que buscam a proteção legal para se recuperar economicamente.

Após o deferimento judicial do processamento do pedido de recuperação judicial a Companhia terá plenas condições de, em um curto período, apresentar o seu plano de recuperação. Com a aprovação e homologação do Plano de Recuperação Judicial a Companhia terá plenas condições de, em um curto período, incrementar suas atividades e retomar o seu crescimento com novos produtos e serviços, podendo assim, iniciar o pagamento de todas as suas dívidas.

As atividades da Companhia e o seu Plano de Recuperação Judicial serão submetidos ao crivo dos Credores e do Administrador Judicial, bem como ao controle de legalidade exercidos conjuntamente pelo Ministério Público e pelo Poder Judiciário, sendo que serão efetuadas todas as análises e publicações legais exigidas em Lei.

Desta forma, a Companhia conta com a compreensão e a confiança de seus clientes, fornecedores, colaboradores e credores para superar rapidamente esta fase de turbulência econômica, estando segura que oferecerá mais opções a seus clientes, e melhorará seu desempenho econômico, gerando mais empregos, renda e pagamento de impostos.

Em breve será disponibilizado a todos os credores um canal de comunicação com telefone e e-mail para esclarecimentos sobre o plano de recuperação judicial e o cronograma de pagamentos dos débitos da Companhia.

Aviso Legal. Este documento contém algumas afirmações e informações relacionadas à Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativa da Companhia e de sua administração a respeito do seu plano de negócios. Estas afirmações incluem, entre outras, todas as afirmações que denotam previsão, projeção, indicam ou implicam resultados, performance ou realizações futuras, podendo conter palavras como “acreditar”, “prever”, “esperar”, “contemplar”, “provavelmente resultará” ou outras palavras ou expressões de acepção semelhante. Tais afirmações estão sujeitas a uma série de expressivos riscos, incertezas e premissas.

Advertimos que diversos fatores importantes podem fazer com que os resultados reais divirjam de maneira relevante dos planos, objetivos, expectativas, estimativas e intenções expressas neste documento. Em nenhuma hipótese a Companhia ou seus conselheiros, diretores, representantes ou empregados serão responsáveis perante quaisquer  terceiros (inclusive investidores) por decisões ou atos de investimento ou negócios tomados com base nas informações e afirmações constantes desta apresentação, e tampouco por danos indiretos, lucros cessantes ou afins.

A Companhia não tem intenção de fornecer aos eventuais credores uma revisão das afirmações ou análise das diferenças.

 

 

Walter Santos

Notícias relacionadas