Ex-vice dos sonhos, Magno Malta está no exterior e falta na posse de Bolsonaro - WSCOM

menu

Política

02/01/2019


Ex-vice dos sonhos, Magno Malta está no exterior e falta na posse de Bolsonaro

Imagem reprodução / Internet

O ex-senador Magno Malta (PR-ES), que foi cogitado para ser o vice-presidente na chapa do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), esteve em Israel e não participou da cerimônia de posse.

 

“Acabei de cumprir meu compromisso com Deus aqui monte das oliveiras orando pelo presidente! Brasil 🇧🇷 acima de tudo e Deus acima de todos”, citou Magno durante live em uma rede social.

 

Durante a transmissão, no Monte das Oliveiras, em Jerusalém, o pastor evangélico afirmou que a viagem foi uma promessa e que ele e Bolsonaro são amigos.

 

“Posso chamar de amigo, é meu amigo. Embora muitos maledicentes da mídia esquerdista tenta criar problemas achando que vai achar problemas entre eu e Bolsonaro, não tem”, disse.

 

De acordo com o pastor, a ida a Israel faz parte de uma promessa feita em 2017 pela libertação do Brasil.

 

“Durante muitos anos, junto com Jair Bolsonaro, nós corremos o Brasil, tentando mexer com o coração do nosso povo. E isso aconteceu. Só Deus poderia ter feito o milagre que fez”, afirmou.

 

Malta também citou que sabia que o militar seria eleito e que a posse é 1° momento de libertação dos comunistas.

 

“Eu sempre tive consciência que Bolsonaro seria presidente da República. Hoje é o dia que os brasileiros estão na rua vestido de verde e amarelo comemorando a libertação dos comunistas dos esquerdistas”, disse.

 

 

MUDANÇA DA EMBAIXADA BRASILEIRA
Durante a transmissão, o ex-senador faz comentários sobre a mudança da embaixada do Brasil de Tel-Aviv para Jerusalém Ocidental.

 

“Bolsonaro fez uma eleição sem falar politicamente correto. A única coisa que dizia é que o Brasil precisa de um presidente patriota, e ele é, que tenha Deus no coração, e ele tem Deus no coração, e que ame Israel”, disse.

 

Sobre as possíveis retaliações que o Brasil poderia sofrer dos países árabes pela mudança da embaixada brasileira, Malta se demonstrou cético. “O Brasil não vai pagar nada. Quem toma conta, quem cuida do Brasil é Deus. Essa embaixada precisa vir porque hoje quebra-se a maldição espiritual”, afirmou.