Estado de saúde de ex-presidente egípcio é instável, diz agência oficial - WSCOM

menu

Internacional

13/04/2011


Estado de saúde de ex-presidente egípcio

Instável

Foto: autor desconhecido.

O estado de saúde do ex-presidente egípcio Hosni Mubarak é instável, indicou a agência oficial Mena, citando uma fonte médica do Hospital Internacional de Sharm el Sheikh, onde ele foi internado na véspera.

– A equipe médica acompanha seu estado de perto.

Nesta terça-feira (12), o ex-presidente egípcio foi internado na unidade de tratamento intensivo do Hospital Internacional de Sharm el Sheikh, no resort Red Sea, pouco depois de sofrer um ataque cardíaco durante um interrogatório.

Uma fonte do hospital também desmentiu que o ex-presidente tenha sido transferido a um hospital militar do Cairo, como garantiram previamente fontes dos serviços de segurança ao jornal Al Ahram.

Nesta quarta-feira (13), as autoridades egípcias anunciaram que Mubarak e seus dois filhos ficarão presos por um período de 15 dias.

Os dois filhos de Mubarak, Alaa e Gamal, foram levados para a penitenciária de Tora, ao sul do Cairo. Ambos estavam em Sharm el Sheikh, onde residiam desde a renúncia do pai à Presidência, em 11 de fevereiro.

Dessa forma, Mubarak permanecerá 15 dias preso no hospital e será interrogado em uma investigação judicial sobre o uso da violência contra os manifestantes em janeiro e fevereiro deste ano, que levaram à sua renúncia e deixaram mais de 380 mortos.

Militares ganham respeito de manifestantes com prisão

Com a ordem de prisão contra Mubarak e seus filhos, os militares que governam o Egito ganharam o respeito de manifestantes ao eliminar suspeitas de que estariam protegendo o ex-líder das investigações.

O Ministério Público convocou e interrogou Mubarak sobre o assassinato de manifestantes, desvio de dinheiro público e abuso de poder.

Seus dois filhos, Alaa e Gamal, também foram interrogados como parte da investigação.

Em seu primeiro comentário público desde sua renúncia, transmitido pela televisão Al Arabiya no último domingo (10), Mubarak negou as acusações.

Gamal, de 47 anos, filho mais novo de Mubarak, mantinha um alto cargo no partido governista. Muitos egípcios acreditavam que ele estaria sendo preparado para suceder seu pai, embora ambos negassem tais planos.

Notícias relacionadas