Empresário Roberto Santiago é preso na 3ª fase da 'Operação Xeque-Mate' - WSCOM

menu

Policial

22/03/2019


Empresário Roberto Santiago é preso na 3ª fase da ‘Operação Xeque-Mate’

Após ser dada a voz de prisão, Roberto Santiago foi encaminhado para sede da Acadepol, em João Pessoa, onde passou por exame de corpo delito.

Mandado de prisão contra Roberto Santiago está sendo cumprido na casa dele, em João Pessoa — Foto: Divulgação/PF

A Polícia Federal efetuou a prisão preventiva do empresário Roberto Santiago, no início da manhã desta sexta-feira (22), dentro da terceira fase da ‘Operação Xeque-Mate’, que visa desarticular um esquema criminoso de contratos de manejo do lixo e fraudes licitatórias na Prefeitura de Cabedelo. A ação é realizada em parceria com o Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado do Ministério Público da Paraíba (Gaeco/MPPB), com o auxílio da Controladoria Geral da União (CGU), que cumprem outros mandados de busca e apreensão, além de prisões.

 

Após ser dada a voz de prisão, Roberto Santiago foi encaminhado para sede da Acadepol, em João Pessoa, onde passou por exame de corpo delito. Nesse momento, ele está sendo encaminhado para a sede da Polícia Federal, localizada em Ponta de Campina, em Cabedelo.

 

O advogado Marcos Pires, que foi convocado para acompanhar o empresário, disse no início da manhã que ainda não tinha conhecimento sobre o que estava acontecendo.

 

As ordens de prisão e buscas foram expedidas pela 1ª Vara Criminal da Justiça Estadual de Cabedelo.

3ª FASE DA OPERAÇÃO

O cumprimento das medidas de busca e apreensão e prisão preventiva, na data de hoje, tem por objetivo inibir esquema de corrupção e fraudes licitatórias referentes aos contratos de manejo de resíduos sólidos (coleta de lixo) da Prefeitura de Cabedelo/PB.

 

Os contratos investigados superam a quantia de R$ 42 milhões. A operação contou com a participação de 65 Policiais Federais, sendo realizado o cumprimento de 11 mandados de busca e apreensão nas residências dos investigados, nos Estados da Paraíba e Rio Grande do Norte, bem como 1 mandado de prisão preventiva.

 

Foram sequestrados 20 Imóveis dos investigados, avaliados em mais de R$ 6 milhões.

 

CRIMES INVESTIGADOS

 

Os investigados responderão pelos crimes de formação de organização criminosa, lavagem de dinheiro, corrupção ativa e fraude licitatória, cuja penas, somadas, poderão chegar a mais de 30 anos de reclusão.

 

 Será concedida entrevista coletiva conjunta entre PF e GAECO/MP/PB às 10h, na sede da Polícia Federal, localizada em Ponta de Campina, Cabedelo/PB.

 

 

*Notícia em atualização.



Portal WSCOM